O que você precisa saber antes de abrir sua empresa?

Ter seu próprio negócio tem muitas vantagens e benefícios, como por exemplo, uma maior flexibilidade e autonomia na tomada de decisões. Mas, o que muitos esquecem é que ao decidir empreender e antes mesmo de abrir a empresa de fato, é preciso estar atento a inúmeros detalhes, informações, planejamentos e decisões a serem tomadas. Desde a escolha das atividades até a definição do regime tributário, passando pela escolha dos sócios, local onde a empresa vai funcionar, entre muitas informações.

Nós da Mazzola Contabilidade separamos 7 tópicos a serem analisados antes de abrir uma empresa:

1 – Defina o ramo de atividade:

O ramo de atividade nada mais é a área que a sua empesa irá atuar. Ao definir o ramo de atividade, o processo de escolha dos produtos e/ou serviços será muito mais fácil.

2 – Elaborar o plano de negócios é imprescindível:

Ao elaborar o plano de negócios será muito mais fácil compreender do que se trata o seu negócio, quais seus principais produtos/ serviços, seu público-alvo, onde será o local da empresa, quanto de capital será necessário investir, qual o faturamento mensal projetado, entre outros. Isso possibilita que o empreendedor consiga ter uma visão ampla da empresa, além de auxiliar na definição dos objetivos, estratégias e tomada de decisões.

3 – Estude o mercado e a situação econômica do país:

Para tomar decisões assertivas, é necessário ter conhecimento amplo do mercado e como está a situação econômica do país. É importante ter informações atualizadas sobre o micro e macro ambiente, pois a partir do levantamento das informações, será muito mais fácil tomar qualquer decisão, como por exemplo, ter uma maior clareza de onde investir seu capital, e evitar dores de cabeça.

4 – Determine o porte da empresa:

Determinar o porte da empresa nada mais é do que definir o tamanho do seu negócio. As empresas são classificadas em: MEI, microempresa, empresa de pequeno porte, empresa de médio porte e empresa de grande porte.

5 – Escolha o regime tributário correto:

É importante que a empresa esteja enquadrada no regime tributário mais adequado para suas operações e resultados financeiros. A escolha do regime correto garante que você recolha os impostos devidos com o aproveitamento máximo das reduções permitidas por lei, evitando prejuízos desnecessários. No Brasil os regimes tributários mais adotados são: Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional.

6 – Defina o quadro de sócios:

No caso dos empresários que irão atuar com um ou mais parceiros, é muito importante analisar algumas informações, como por exemplo: todos os sócios possuem o mesmo propósito? Quais as tarefas e funções que serão desempenhadas por cada um? Qual será o valor de remuneração? E a distribuição de lucros? Algum dos sócios possui restrição ou pendência junto aos órgãos públicos?

Outro ponto a levar em conta são as competências e habilidades dos sócios, ou seja, não escolher um sócio apenas por afinidade ou amizade.

7 – Escolha uma contabilidade de confiança, pois ela será seu parceiro de negócio:

Independente do porte da sua empresa, uma das etapas mais importante é a escolha de uma contabilidade de confiança. A contabilidade é imprescindível para a gestão da empresa. Entender a situação econômica e financeira do seu negócio irá ajudar (e muito) na hora de tomar decisões, além de ajudar a compreender melhor as despesas, a rentabilidade, as dívidas e o lucro da sua empresa. A contabilidade será mais que um prestador de serviços, será o seu parceiro de negócio.

Esperamos que este post tenha ajudado e contribuído de alguma forma.

E você? Está pensando em empreender e abrir uma empresa? Ou conhece alguém que esteja?

Nós da Mazzola Contabilidade e Mazzola Soluções estamos prontos e preparados para atender você e sua empresa com toda a estrutura que você precisa, ajudando na contabilidade e na elaboração do plano de negócios.

Até o próximo post! 😉

Redação por: Gisele Rossani, processo Comercial e Marketing da Mazzola Contabilidade. Graduação em Comunicação Social – Publicidade e Propaganda pela UNIP de Jundiaí
Revisão por: Daiane Alegro Guido, processo Financeiro da Mazzola Contabilidade. Graduação em Ciências Contábeis pela Anhanguera, e Pós Graduação em Controladoria e Finanças pelo SENAC

Como aplicar a gestão de tarefas dentro da sua empresa?

No post de hoje, irei falar sobre o que é a gestão de tarefas, os benefícios que ela traz e como aplicar dentro da sua empresa.

A gestão de tarefas nada mais é do que o conjunto de ações e práticas que através do planejamento, visam organizar, gerenciar e controlar as tarefas, com o objetivo de melhorar o desempenho da realização das atividades.

Além disso, é uma ótima estratégia para gestores fazerem o monitoramento de suas equipes, e acompanhar o desempenho de cada um.

Ela possui alguns benefícios, tais como:

  • Melhora na produtividade do desempenho do seu trabalho;
  • Melhor organização das tarefas;
  • Priorização das atividades a serem feitas;
  • Estabelecimento de prazos e responsáveis;
  • Controle de todas as tarefas;
  • Redução de riscos;
  • Otimização do tempo.

A falta de uma gestão de tarefas pode ocasionar em perda de prazos, projetos e atividades inacabadas, perda de produtividade, desorganização, falta de foco entre outros.

Mas afinal, como colocar em prática? Como começar a aplicar a gestão de tarefas de forma eficiente?

Existe um método simples, que te ajuda a organizar as suas tarefas e acompanhar o andamento deles, focando no que é preciso ser feito. Esse método é chamado de Kanban. Ele nasceu no Japão na década de 40, e foi desenvolvido pela Toyota. Clique aqui e saiba mais sobre a ferramenta.

Como dito anteriormente, o método tem como objetivo gerenciar e acompanhar o andamento das tarefas e projetos, e é organizada através de colunas e cartões coloridos que facilitam a visualização como um todo.

As colunas a serem criadas a partir do método Kanban podem variar de acordo com o propósito do que você quer gerenciar. Mas, para exemplificar, separei um dos modelos mais utilizados. Ele se divide em três colunas, sendo:

  • A fazer: esta coluna, como o nome já diz, é onde irá concentrar-se todas as atividades que devem ser feitas;
  • Fazendo: já esta coluna, é onde as tarefas que estão em execução devem estar alocadas;
  • Feito: por último, esta coluna é destinada as tarefas concluídas.

Agora que você já sabe o que é a gestão de tarefas, os seus benefícios e um método para aplicar, só falta encontrar a ferramenta correta.

Existem inúmeros softwares, aplicativos e ferramentas de gestão de tarefas disponíveis no mercado. Para aplicar na sua empresa, é necessário encontrar a ferramenta que atende melhor suas necessidades. Por isso, pesquise as ferramentas disponíveis, teste e experimente para ver se de fato ela atende as demandas da sua organização, e escolha aquela que se adequa e adapta melhor dentro da sua empresa.

O ideal é concentrar todas as tarefas em apenas uma ferramenta ou software, pois quanto mais lugares elas estiverem espalhadas, mais difícil será de controlar, e isso só irá causar confusão, resultando em uma gestão ineficiente.

O Trello é uma ferramenta desenvolvida especificadamente com o intuito de gerenciamento de tarefas, e está disponível na versão para a web e aplicativo. Ele é basicamente formado por quadros, onde em cada quadro você monta colunas e insere cartões.

Em cada cartão, você pode personalizar, anexando arquivos, criando checklists, adicionando prazo de entrega e membros responsáveis, entre muitas outras funcionalidades. Também é possível convidar membros para fazerem parte do seu quadro. Essa é uma ótima dica para os gestores controlarem os seus departamentos.

Mas lembre-se, para alcançar bons resultados e melhorias com a gestão de tarefas, é necessário ter mais do que apenas a ferramenta ou software que atende as suas necessidades. É preciso ter mudança de mentalidade e atitude, para que você consiga de fato aplicar a gestão na sua empresa, e transformar isso em um hábito.

Até a próxima! 😉

Redação por: Gisele Rossani, processo Comercial e Marketing da Mazzola Contabilidade. Graduação em Comunicação Social – Publicidade e Propaganda pela UNIP de Jundiaí.
Revisão por: Daiane Alegro Guido, processo Financeiro da Mazzola Contabilidade. Graduação em Ciências Contábeis pela Anhanguera, e Pós Graduação em Controladoria e Finanças pelo SENAC.

Como analisar um balanço patrimonial para investir?

Nos dias atuais, muito se fala em investimentos, ações e mercado financeiro, com isso, facilmente você conhece alguém que investe ou já investiu.

Há muito tempo vem surgindo novas empresas de investimentos e o crescimento delas é significativo. Quem nunca viu um anúncio nas redes sociais ou demais veículos de comunicação, não é mesmo?!

Também tem sido comum ouvir a frase: “daqui uma semana ou tantos dias, será publicado o balanço de tal empresa”. A verdade é que o termo correto é “Demonstrações Contábeis”, já que o Balanço se trata de apenas uma delas.

As demonstrações Contábeis que costumam ser publicadas pelas empresas são: Balanço Patrimonial (BP), o qual trato neste artigo, a Demonstração de Resultado do Exercício (DRE), Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL), Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) e a Demonstração do Valor Adicionado (DVA).

Analisar as demonstrações é muito importante, pois a contabilidade é a linguagem empresarial e os números são capazes de dizer se a empresa é rentável ou não. É necessário ter um conhecimento básico dos conceitos para entender o que é apresentado em cada demonstração, neste caso, o Balanço.

O Balanço Patrimonial é composto por saldos de ativo e passivo em uma determinada data e é a fotografia da empresa naquele determinado momento.

Também é apresentado dentro do passivo, o patrimônio líquido, sendo o resultado exato da diferença entre eles.

Tanto o ativo quanto o passivo possuem uma separação entre circulante e não circulante, sendo elas, a serem realizadas em curto e longo prazo, ou seja, menos de um ano e mais de um ano, respectivamente.

O Ativo é definido como o conjunto de bens e direitos ou as aplicações de recursos de uma entidade. Nele é apresentado contas como: Caixa, saldos bancários, investimentos, estoques, contas a receber e ativo imobilizado.

Com ele podemos analisar, por exemplo, o dinheiro da empresa. As companhias que possuem alto valor de recursos financeiros indicam que é possível efetuar seus pagamentos mesmo em tempos difíceis, ou que poderá ter mais opções de crescimento futuro.

Apesar disso, uma análise com frequência nos Balanços precisa indicar uma movimentação efetiva dos recursos, pois a empresa precisa ter giro.

Assim também acontece com o saldo de estoque, valores altos parados no estoque indicam perda para a empresa e as mercadorias precisam circular para obter as receitas.

Também se consegue analisar, em conjunto com a DRE, se o estoque está crescendo mais do que as vendas, sendo um sinal negativo para a saúde financeira.

Já as contas a receber, são um índice importante, pois quanto mais rápido o recebimento mais cedo a empresa terá recursos para efetuar seus pagamentos, além disso, quanto maior as vendas a prazo, maior o risco de inadimplência.

As contas citadas acima, caixa/ bancos, estoques e contas a receber, são apenas exemplos de dados que o ativo pode trazer.

Já o Passivo é definido como as obrigações e dívidas que a empresa possui com terceiros, como: Fornecedores, impostos, salários, empréstimos.

Com o passivo podemos realizar cálculos de índices financeiros, para verificar seu grau de endividamento ou se os ativos são suficientes para cobrir suas obrigações e dívidas.

Uma análise rápida é se o valor do ativo é maior que o valor do passivo (circulante + não circulante), pois se a empresa apresenta o contrário, indica prejuízo e quem sabe um sinal de falência, impactando diretamente nos lucros/ prejuízos e reservas do patrimônio líquido.

No Patrimônio Líquido temos o capital próprio, representado principalmente pelo capital integralizado, lucros ou prejuízos e reservas.

Alguns indicadores econômicos podem ser feitos para extrair informações do balanço patrimonial, trouxe alguns deles:

  • Índice de Liquidez Geral: Mostra a capacidade da empresa arcar com suas obrigações a longo prazo sem o uso de seus ativos permanentes. Quanto maior for a liquidez geral, melhor será para a empresa.

Cálculo: Índice de liquidez geral = (ativo circulante + ativo realizável a longo prazo) ÷ (passivo circulante + passivo não circulante)

  • Índice de liquidez corrente: Mostra a capacidade da empresa arcar com suas obrigações de curto prazo. Representa quanto de recursos a empresa tem para cada R$1,00 de dívida, sendo assim, quanto maior, melhor.

Cálculo: Índice de liquidez corrente = ativo circulante ÷ passivo circulante

  • Índice de liquidez seca: A única diferença com o de liquidez corrente, é que excluído o estoque do ativo circulante.

Cálculo: Índice de liquidez seca = (ativo circulante – estoque) ÷ passivo circulante

  • Grau de Endividamento: Basicamente, mostra o quanto está sendo utilizado de recursos de terceiros na empresa. Quanto menor for o índice, melhor.

Cálculo: Grau de Endividamento = (Passivo ÷ Ativo) * 100

  • Grau de Alavancagem: Mostra o quanto do Patrimônio Líquido financia o Ativo Total.

Cálculo: Grau de Alavancagem = Ativo Total ÷ Patrimônio Líquido

Existem outros indicadores que podem ajudar a realizar uma melhor análise.

Com a visão da contabilidade gerencial, o investidor fica mais seguro em qual empresa investir e aprende a avaliar onde irá colocar seu dinheiro, obtendo melhores resultados.

Lembre-se que a contabilidade é uma parceira ideal na hora de tomar decisões importantes

O que achou deste Post? Deixe seu comentário pra gente.

Redação por: Caroline Morais, processo Contábil da Mazzola Contabilidade. Graduação em Ciências Contábeis pelo Anchieta. Revisão por: Daiane Alegro Guido, processo Financeiro da Mazzola Contabilidade. Graduação em Ciências Contábeis pela Anhanguera, e Pós Graduação em Controladoria e Finanças pelo SENAC.

Por que a consultoria contábil é tão importante?

‘’Será que a minha empresa precisa de uma consultoria contábil?’’

‘’Por que esse serviço é tão importante para o desenvolvimento da minha empresa? ‘’

Esses são alguns questionamentos bastante comuns na vida empresarial. No decorrer deste artigo, vamos ajudá-lo a entender POR QUE e COMO a consultoria contábil pode ajudar a agregar muito mais ao dia a dia do seu negócio.

O PAPEL DA CONSULTORIA CONTÁBIL

O primeiro grande papel da consultoria é oferecer informações contábeis com o apoio de profissionais qualificados, que possuem conhecimento técnico e auxiliam no processo de tomada de decisões.

A consultoria contábil é utilizada como uma ferramenta de gestão empresarial mais eficiente e qualificada. Ela tem o objetivo de identificar as demandas da organização, mapear a sua situação atual e sugerir soluções inteligentes que busquem aumentar o desempenho e a eficiência da sua empresa.

O especialista na área tem o importante papel de contribuir diretamente com a implementação de melhorias que agregam valor ao negócio e ainda vão auxiliar no aperfeiçoamento das diversas atividades executadas dentro da organização.

Abaixo listamos algumas das atividades que são desenvolvidas nesse processo de consultoria:

  • Oferecer uma visão mais ampla do negócio, abrangendo os aspectos internos e externos;
  • Consultoria da parte tributária, auxiliando na escolha do regime mais vantajoso;
  • Auxílio na tomada de decisões mais assertivas para o negócio;
  • Serviços personalizados para a necessidade do seu negócio: Gestão, RH, Inovação etc.;
  • Disponibilizar ferramentas que analisem o nível de competitividade com empresas concorrentes;
  • Contribuir com o desenvolvimento de ações mais bem planejadas dentro das organizações, com base na realidade de mercado e com embasamento legal.

PARA QUEM ESSE SERVIÇO É INDICADO?

A consultoria contábil é indicada para qualquer tipo de negócio/empresário que sinta a necessidade de planejar melhor as suas ações através de um estudo mais aprofundado da contabilidade ou outros serviços que podem ser descobertos através de um diagnóstico. Porém, existem situações específicas que evidenciam uma necessidade maior do acompanhamento da consultoria contábil. Como exemplos, devemos citar as duas situações a seguir:

  • Empresas em fase inicial de planejamento e constituição:

Nesse caso, será feito um estudo minucioso de viabilidade do negócio e planejamento para que o empresário tome decisões mais assertivas nesse primeiro momento de constituição da empresa. A partir disso, terá condições mais concretas para ingressar no mercado num nível maior de competitividade com relação aos seus concorrentes;

  • Empresas estabelecidas que necessitam de apoio na gestão do seu negócio:

No caso das empresas já estabelecidas no mercado, a consultoria contábil auxiliará o empresário após o término do processo de implementação, aprofundando a parte teórica do empreendedorismo. Nesse caso, poderá ser oferecido aquilo que seja necessário à sua empresa para propulsioná-la no mercado ou para melhorar o clima organizacional e a parte de gestão, tais como serviços ou cursos que auxiliem na gestão de pessoas e gestão estratégica.

Aqui na Mazzola Contabilidade temos um projeto que foi crescendo a partir do surgimento das necessidades de vários clientes. Conversando com cada um e entendendo as suas dificuldades, identificamos que alguns empresários precisavam de um apoio mais personalizado e aprofundado para auxiliar no desenvolvimento de suas empresas. E foi daí que surgiu a Mazzola Soluções, que hoje já funciona como uma empresa que oferece uma série de serviços personalizados aos empresários e gestores de negócios.

Hoje a Mazzola Soluções trabalha com 3 projetos principais, mas esses serviços podem se encaixar em qualquer necessidade/dificuldade que venha a surgir no seu negócio. Nosso objetivo é criar soluções para que a sua empresa nasça e/ou se desenvolva de forma saudável e sem grandes problemas. Abaixo faremos uma breve apresentação dos 3 projetos que servem como base para o nosso trabalho de consultoria:

  • STARTING

O primeiro é voltado para aqueles que estão começando a empreender e não sabem por onde começar. Esse projeto tem o objetivo de dar todo o suporte que esse novo empresário precisa, auxiliando nos primeiros passos para que desde o início tudo seja feito da melhor maneira possível e, com isso, seja possível vislumbrar uma maior possibilidade de sucesso ao negócio;

  • ACCELERATION

O segundo projeto está mais direcionado às empresas que já estão implementadas e possuem dificuldades, sejam elas na parte de gestão, RH, inovação ou treinamento. A Mazzola Soluções desenvolverá um trabalho de acordo com as suas necessidades. O Acceleration está mais ligado à parte teórica do processo;

  • PROPULSION

Já com o terceiro projeto, denominado de Propulsion, a Mazzola entra mais a fundo e o desenvolvimento de toda a parte de consultoria passa a ser em campo, juntamente com o cliente. A atividade de consultoria se coloca ainda mais próxima da realidade do cliente, pois iremos trabalhar diretamente com o cotidiano, fazendo com que essa experiência ofereça um apoio maior às necessidades que surgem no mundo do empreendedorismo.

Bom pessoal, por hoje é só! Contamos um pouquinho sobre o que é a Consultoria Contábil e como ela pode contribuir para o desenvolvimento da sua empresa. Esperamos ter ajudado. Se você ficou interessado no nosso serviço de consultoria, entre em contato conosco, teremos o maior prazer em auxiliá-lo a encontrar o caminho que irá conduzir sua empresa ao sucesso.

Redação por: Juliana Marinho Farias, processo Fiscal da Mazzola Contabilidade. Graduação em Ciências Contábeis pela Estácio. Revisão por: Pedro Paulo Gomes Ribeiro, processo Administração de Pessoal da Mazzola Contabilidade. Bacharel em Linguística, com especialização em Português e Espanhol pela Universidade de São Paulo.

5 Dicas para separar os gastos pessoais das contas da empresa

Todo empresário já se deparou com os problemas e dificuldade em realizar a gestão financeira da sua empresa.

Manter a empresa nos trilhos pode parecer tarefa difícil, principalmente conciliar os gastos pessoais com os gastos da empresa, então a maioria dos empresários acabam misturando os gastos e deixando o caixa da empresa negativo.

Nós da Mazzola Contabilidade, pensando em você e na saúde financeira da sua Empresa temos algumas dicas importantes. Confere aí!

Dica 1– Separe as contas de pessoa física da jurídica, não leve despesas domésticas para a empresa, e o contrário também se aplica. Separe o dinheiro, o que a empresa tem no caixa não pode ser o bolso do empreendedor. É importante que estipular um salário (pró-labore) para seus gastos de pessoa física, como pagar a conta de supermercado ou a escola do seu filho, por exemplo. Veja com seu contador os limites da empresa para que também seu caixa não fique comprometido com as demais obrigações da companhia e para não gerar grandes complicações no futuro. Lembre-se, o dinheiro da empresa possui outras finalidades, que não podem ser confundidas com os gastos pessoais.

Dica 2– Tenha contas bancárias separadas. É de extrema importância que seu dinheiro pessoal   fique separado do dinheiro da empresa, com controles individuais. Tente não andar com os cartões bancários juntos pois isso acaba induzindo aos gastos. Atualmente, os Bancos oferecem serviços personalizados para CNPJ, oferecendo condições especiais sobre direitos e produtos financeiros disponíveis para cada setor.

Dica 3– Crie um controle (fluxo de caixa), onde possa registrar as entradas e saídas do caixa, seja em meio físico ou digital. Com este controle, você terá informações de toda a movimentação financeira da empresa e saberá sua disponibilidade de caixa, podendo tomar decisões importantes, junto com seu contador, além de ter o registro do fluxo financeiro, você poderá visualizar melhor a capacidade de pagamento da sua empresa e para onde está indo cada centavo.

Dica 4– Utilize planos corporativos e contrate ferramentas para ajudar sua empresa, é possível contratar serviços essenciais, com planos mais baratos que os disponíveis para pessoa física. Planos corporativos de telefonia, internet e linhas de crédito são algumas das opções diferenciadas oferecidas para as empresas do mercado, com vantagens que apresentam inúmeros benefícios para o negócio ajudando assim a sua empresa a economizar. Por isso, é importante manter-se atento, informado e conhecer bem os serviços e condições especiais oferecidos para ajudar as empresas no país.

Dica 5– Peça ajuda sempre que necessário, ou sempre que tiver com problemas ou precisar fazer algum planejamento futuro, lembre-se seu contador é seu melhor amigo. Leve suas informações e ideias, é importante buscar auxílio com quem entende do assunto e pode te ajudar.  Caso seja possível, adquira um software de gestão de caixa para controlar as movimentações financeiras do seu negócio, procure cursos de finanças para te ajudar a melhorar o conhecimento sobre o assunto, hoje a Mazzola Contabilidade oferece esse serviço aos clientes.

Se quiser saber mais sobre essa incrível ferramenta entre em contato com a gente. Tenho certeza de que podemos te ajudar!

Seguindo essas dicas básicas a sua vida financeira ficará mais tranquila e fácil de administrar de forma organizada e adequada.

E aí, o que achou das nossas dicas foi útil? Como você administra as contas da empresa e as contas pessoais? Quais medidas utiliza para manter as despesas separadas? Compartilhe conosco!

Redação por: Rodrigo Montanari, processo Fiscal da Mazzola Contabilidade. Graduação em Ciências Contábeis pela UNIP Jundiaí. Revisão por: Daiane Alegro Guido, processo Financeiro da Mazzola Contabilidade. Graduação em Ciências Contábeis pela Anhanguera, e Pós Graduação em Controladoria e Finanças pelo SENAC.

Planejamento estratégico: você sabe o que é Balanced Scorecard?

Você já parou para pensar onde sua empresa quer chegar daqui a alguns anos? Já estabeleceu a visão de futuro que deseja alcançar? E já analisou o quanto as tarefas realizadas hoje por você e sua equipe impactam nessa visão?

Todos estes pontos precisam ser pensados, para que a empresa cresça, aumente sua visibilidade, carteira de cliente e seus lucros…   Leia nosso post Você sabe onde sua empresa quer chegar?, ele pode te ajudar a pensar nessas questões.

E para chegar lá, a empresa deve possuir um planejamento com objetivos e estratégias estabelecidos, além de ter a equipe alinhada a eles.

Você já ouviu falar do Balanced Scorecard (também chamado de BSC)? No nosso post de hoje, eu vou falar o que é esta ferramenta e como ela pode te ajudar.

O Balanced Scorecard é um modelo de gestão do planejamento estratégico da empresa, que consiste em entender os objetivos e definir as iniciativas necessárias para atingi-los, utilizando indicadores para monitorar se as ações e projetos da empresa estão obtendo o resultado esperado.

Inicialmente, a empresa deve realizar o planejamento estratégico pois ele é a base da implantação do BSC. Vamos às etapas:

A Missão é o motivo pelo qual a empresa existe, a Visão é o que se espera do futuro dela (com período de tempo definido) e os Valores são os ideais e comportamentos que norteiam o trabalho.

É necessário que a equipe tenha conhecimento disso, pois estes três itens devem refletir nas atitudes e nas tarefas realizadas por cada um.

A análise dos pontos fortes e fracos da organização, além dos fatores externos, interpretados como ameaças e oportunidades, pode ser feita pela Análise SWOT (será abordado em outro artigo do nosso blog). É importante estabelecer estratégias pensando em minimizar o que está “atrapalhando” o crescimento da empresa, bem como fortalecer o que já existe de positivo. 📈

Com os passos anteriores definidos, os administradores conseguem estabelecer os objetivos, onde se quer chegar, e as metas, que de forma quantitativa e com período estabelecido, são as etapas necessárias para atingir o objetivo. E quem não gosta da sensação de uma meta batida?🥰

Por fim, chegamos nas estratégias, e você já possui todas as informações necessárias para criá-las, com foco nos seus objetivos, utilizando-se de seus pontos fortes e suas oportunidades para minimizar riscos e pontos fracos, pois é um sistema interligado.

Mas então você me pergunta, onde entra o BSC nessa história?! O Balanced Scorecard organiza suas estratégias, como eu citei anteriormente, ele utiliza indicadores de desempenho para monitorar se os objetivos estão sendo atingidos, analisando-os através de quatro perspectivas:

– Perspectiva Financeira: são monitorados os indicadores com foco em obter o resultado financeiro esperado, seja pelos sócios, acionistas e/ou dirigentes. Todos nós queremos empresas rentáveis, correto? Como, por exemplo: Aumento de Receita, Aumento do Índice de Lucratividade, ROI, entre muitos outros; 🤑

– Perspectiva de Clientes: este item é, com certeza, o mais importante, pois nenhuma empresa sobrevive sem clientes. É necessário que se analise pelo ponto de vista deles, os produtos e serviços ofertados devem atingir o máximo de suas expectativas.

Além disso, a empresa deve ter foco também em torná-los fiéis aos produtos e serviços oferecidos. Exemplos: Índice de satisfação, resultado da entrada e saídas de clientes, monitoramento da gestão de reclamação; 🤝

– Perspectivas de Processos Internos: todas as perspectivas influenciam nas demais e a qualidade do produto ou serviço prestado não poderia ser deixada de lado. É seu papel garantir que todas as saídas da empresa para o cliente estejam conformes, entregues no menor tempo e com qualidade.

Também é importante analisar a necessidade de mudança nos processos realizados ou de criar/extinguir processos. Indicadores utilizados nesta perspectiva: Produtividade, Compliance, Não Conformidades, agilidade no atendimento; 💻

– Perspectiva de Aprendizado e Crescimento: esta última, mas não menos importante, diz respeito a buscar uma forma de fazer com que a sua equipe de hoje ainda será capaz de realizar seu trabalho no futuro. Além do mais, nada acontece sem pessoas.

E sabemos que a Legislação muda, tecnologias e inovações surgem a cada dia e todos os membros do seu elenco precisam estar em constante evolução e crescimento. Monitoramentos aplicáveis: Capacitação da Equipe, Sistema de Gestão da Qualidade, Clima Organizacional. 📊

Para finalizar a implantação do BSC, a equipe precisa conhecer e se engajar junto com a Direção da empresa. Para fazer tudo acontecer, um bom subsídio é recorrer a algum elemento visual.

Crie um Mapa Estratégico do Balanced Scorecard, nele você organiza os objetivos, projetos e ações para cada perspectiva. Uma simples tabela no Excel pode ajudar.

Consulte-nos, ficaremos felizes em poder ajudar! Por fim, não deixe de monitorar todos os indicadores com uma frequência regular e defina os responsáveis.

Gostou deste post? Deixe seu comentário ou compartilhe sua experiência conosco. 😉

Redação por: Caroline Morais, processo Contábil da Mazzola Contabilidade. Graduação em Ciências Contábeis pelo Anchieta. Revisão por: Pedro Paulo Gomes Ribeiro, processo Administração de Pessoal da Mazzola Contabilidade. Bacharel em Linguística, com especialização em Português e Espanhol pela Universidade de São Paulo.

7 dicas para implementar uma Gestão Financeira na sua empresa de forma eficaz

“Não espere por uma crise financeira para descobrir o quanto é importante a educação financeira”

(Wendel Ferreira) 

Toda empresa precisa de uma boa Gestão Financeira, pois com ela se tem uma visão mais clara da realidade. Fazendo uso de técnicas, métodos, tecnologias e conceitos, a Gestão Financeira proporciona uma eficiente análise das demonstrações contábeis, otimizando investimentos, gerenciando e controlando orçamentos e custos. Sendo aplicada com inteligência no cotidiano das empresas, pode auxiliar nas tomadas de decisão e na consolidação de grandes e lucrativos negócios.

A Gestão Financeira, quando bem planejada, ajuda a projetar melhor a margem de lucro que sua empresa terá no futuro, equilibrando os gastos desnecessários e mostrando o atual saldo de contas, tanto a pagar quanto a receber. Isso se deve ao fato de que a Gestão Financeira tem como objetivo central o gerenciamento dos recursos da empresa, evidenciando suas limitações, oportunidades de investimentos e resultados obtidos. Para sua empresa dar certo, precisa gerar lucro, pois somente assim terá uma base sustentável. Com um controle financeiro eficiente, será possível avaliar como seu capital está se portando no presente e até mesmo projetar seu aumento no futuro.

Algumas dicas podem ajudá-lo a implantar uma Gestão Financeira eficaz em sua empresa:

1- Saiba precificar o seu produto, projetando uma margem de lucro que você espera obter e calculando quanto de impostos e matéria-prima irá gastar;

2- Planeje seu negócio pensando no futuro, defina metas de receitas superiores ao seu negócio, pois isso irá estimulá-lo a bater essas metas e também servirá de inspiração para superar desafios maiores;

3- Controle todas as suas receitas e despesas, dessa forma você terá uma visão mais exata de onde está o seu maior gasto e o seu maior ganho;

4- Tome cuidado com as vendas a prazo, pois podem fazer com que você se perca no seu fluxo de caixa;

5- Mantenha um estoque onde os produtos fiquem o menor tempo possível, uma vez que grandes quantidades podem representar dinheiro parado;

6- Não misture suas contas pessoais com as da empresa;

7- Estipule um salário para você.

O que achou deste post? Deixe seu comentário!

Redação por: Rodrigo Montanari, processo Fiscal da Mazzola Contabilidade. Graduação em Ciências Contábeis pela UNIP Jundiaí. Revisão por: Pedro Paulo Gomes Ribeiro, processo Administração de Pessoal da Mazzola Contabilidade. Bacharel em Linguística, com especialização em Português e Espanhol pela Universidade de São Paulo.

5 Estratégias para ajudar os pequenos negócios a enfrentarem a crise do Covid-19

O avanço do novo coronavírus tem impactado no desempenho das empresas no Brasil. Isso porque uma das medidas mais importantes para reduzir a propagação da COVID-19 é o isolamento social, e as restrições de circulação aplicadas nos últimos meses têm reduzido a demanda por produtos e serviços. No entanto, existem práticas que podem ajudar na gestão do seu negócio. No post de hoje, selecionamos 5 estratégias para ajudar os pequenos negócios a enfrentarem esse período de crise.

1- CONTROLE DE GASTOS

Nesse momento de crise, principalmente uma crise como a causada pelo Covid-19, em que o faturamento das empresas fica comprometido é imprescindível ter um controle das suas finanças. Identifique a real situação financeira do seu negócio e tome decisões acertadas, com base em informações reais.  Abaixo vamos definir alguns passos para ajudar você a colocar tudo em ordem e, consequentemente, tomar as melhores decisões.

  • Faça uma análise das despesas

Liste todos os gastos, faça uma análise minuciosa e veja aonde poderão ser feitos cortes de gastos desnecessários ou que poderão ser reduzidos, como economia de energia, água etc. Nesse momento é importante que você não corte despesas que afetem a qualidade do seu produto/serviço ou demita funcionários qualificados, isso pode prejudicar a sua empresa no pós-crise.

  • Faça um levantamento das suas receitas

É importante que você faça um levantamento de tudo que a empresa tem para receber e organize por categorias: cartões, pagamentos à vista, parcelados, cheques etc.

  • Avalie quais receitas podem ser antecipadas

Após fazer um levantamento de tudo que tem para receber, você pode levantar as condições e os custos para antecipar esses recebimentos e, com isso, pode honrar os compromissos atuais, evitando dívidas.

  • Analise o seu estoque e produção

Avalie o que a sua empresa tem de estoque e pense em novas soluções. Veja se é possível fazer algum tipo de adaptação ou modificação para que possa gerar novas receitas. Caso a sua empresa não possua uma reserva financeira ou você não queira requerer a ela, talvez seja o momento de avaliar se desfazer de algum bem, como mercadorias paradas no estoque ou algum equipamento que não esteja sendo muito utilizado. Dessa forma, você poderá ter uma reserva extra e isso te dará mais segurança.

2- SOLUÇÕES DE CRÉDITO

Se mesmo recorrendo ao planejamento e organização dos gastos da sua empresa, o seu caixa continuar negativo, talvez seja hora de buscar um crédito. Nesse momento é fundamental que você saiba exatamente de quanto sua empresa precisa. É preciso fazer um planejamento financeiro para que a quantia solicitada seja realmente a necessária ao seu negócio.

  • Faça um levantamento de todo o valor que você tem em caixa e os pagamentos que precisa fazer.
  • Avalie as antecipações de vendas, elas costumam ter taxas menores que os empréstimos.
  • Simule o valor da parcela para que ela caiba no seu fluxo de caixa.
  • E por fim, analise as condições para reduzir o valor do empréstimo através das soluções oferecidas pelo governo.

3- RENEGOCIAÇÃO COM FORNECEDORES E CLIENTES

Negociar contratos ou cancelar contratos durante a crise é uma decisão bastante particular de cada empresário, mas, na maioria das vezes, necessária. Antes de tomar qualquer decisão mais radical, vale fazer um estudo profundo da condição do seu negócio e identificar caminhos para sair da crise da melhor maneira possível, sem prejudicar o seu crescimento ou o relacionamento com fornecedores.

As empresas que fornecem produtos ou prestam serviços para que o seu negócio funcione também se encontram na mesma situação, com isso, o melhor caminho é o diálogo, para que seja possível encontrar um caminho que seja benéfico para ambos os lados. Para cada negociação estabeleça um objetivo e limites mínimos e máximos que você pode aceitar. Trabalhe com cenários otimistas, pessimistas e realistas.

4- VENDAS ONLINE

Nesse momento é preciso repensar o seu modelo de negócio e aproveitar as oportunidades que os canais digitais têm para oferecer. Com os consumidores dentro de casa e com receio de sair para compras, os pequenos negócios precisam se adaptar para divulgar seus produtos e serviços no ambiente digital e conseguir chegar até seus clientes. Vejas algumas opções de onde você pode colocar o seu produto ou serviço à venda:

  • Através do WhatsApp.
  • Através das redes sociais: Facebook e Instagram
  • Crie sua própria loja virtual
  • Venda seus produtos em marketplaces como: Mercado Livre, Amazon, Ifood, Rappi etc.
  • Curso online (Pense na possibilidade de faturar através de videoaulas ensinando sobre como fazer o seu produto e/ou serviço)

5- O QUE O GOVERNO PODE FAZER POR VOCÊ

O Governo Federal tem formulado uma série de medidas para auxiliar cidadãos e empresas no enfrentamento dos impactos econômicos e sociais do atual momento, abaixo listamos algumas das opções que podem auxiliar você e sua empresa:

  • LEI Nº 14.020, de 6 de julho de 2020.

A lei institui o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda; dispõe sobre medidas complementares para enfrentamento do estado de calamidade pública reconhecido pelo Decreto Legislativo nº 6, de 20 de março de 2020, e da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus.

  • Transação excepcional (PGFN)

A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) regulamentou a Transação Excepcional na cobrança da dívida ativa da União, em função dos efeitos da pandemia pelo novo Corona vírus na capacidade de geração de resultados da pessoa jurídica e no comprometimento da renda das pessoas físicas. A nova modalidade estará disponível para adesão, no portal REGULARIZE, a partir de 1º de julho até 29 de dezembro de 2020. Os benefícios – como entrada reduzida, descontos e prazos diferenciados – serão concedidos conforme a capacidade de pagamento do contribuinte, para dívidas de até R$ 150 milhões.

  • Benefícios fiscais

O governo prorrogou alguns prazos de pagamentos de impostos e entrega de obrigações acessórias afim de dar apoio aos pequenos negócios para o enfrentamento do estado de calamidade pública decorrente da covid-19.

  • PRONAMPE – Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte

A Receita Federal informou recentemente que foi aberto o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) que destina a essas pessoas jurídicas, optantes pelo Simples Nacional, linha de crédito criada para possibilitar o desenvolvimento e o fortalecimento desses empreendedores, frente ao cenário econômico causado pela pandemia da Covid-19.

Espero que tenhamos ajudado a buscar novas soluções para a sua empresa nesse momento de crise. Esse momento vai passar, conte conosco para atravessar mais esse desafio. E se você ficou um pouco perdido(a) com tanta informação, chama a Mazzola Soluções!!

Maiores orientações estão disponíveis nas páginas da Receita Federal, do Portal do Simples Nacional e do Portal do Empreendedor nos links abaixo:

http://www.receita.economia.gov.br/

http://www8.receita.fazenda.gov.br/SimplesNacional/

www.portaldoempreendedor.gov.br

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2020/lei/L14020.htm

http://www.pgfn.fazenda.gov.br/noticias/2020/transacao-excepcional-nova-modalidade-preve-descontos-e-condicoes-facilitadas-de-entrada

Redação por: Juliana Marinho Farias, processo Fiscal da Mazzola Contabilidade. Graduação em Ciências Contábeis pela Estácio. Revisão por: Daiane Alegro Guido, processo Financeiro da Mazzola Contabilidade. Graduação em Ciências Contábeis pela Anhanguera, e Pós Graduação em Controladoria e Finanças pelo SENAC.

O uso da contabilidade como ferramenta para apoio à tomada de decisão

A Contabilidade de uma empresa, ao longo dos anos, vem deixando de ser apenas demonstração de números, e passa a ser indispensável para apoiar o gestor a tomar decisões mais seguras, ou com menor risco, para que assim possa alcançar os objetivos planejados.

Registrar, Planejar, Implantar e Medir são peças-chave para que todo gestor consiga verdadeiramente controlar seu negócio, saber quando é o momento certo para investir ou mesmo para cortar gastos. Isso é fundamental para manter em dia a saúde financeira e operacional de sua empresa.

Através da Contabilidade, torna-se possível traçar objetivos, mensurar, comparar resultados e avaliar desempenho. Além de demonstrar a situação financeira da empresa, é importante ressaltar que os relatórios com base em fatos passados proporcionam a identificação de deficiência operacional e gargalos existentes no presente, visando à melhoria de desempenho, tanto na gestão financeira como na geração de valor no futuro.

Para desenvolver uma boa análise, é necessário comparar a evolução da empresa ao longo dos anos e não apenas em um período isolado e sem histórico. Também é importante obter informações externas, principalmente sobre o mercado no qual a empresa está inserida, seus clientes e concorrentes, público-alvo, estratégia de preços, etc. Isso possibilita a constatação de tendências e a identificação de seu posicionamento em relação ao mercado. Fazer uma análise SWOT é fundamental para descobrir riscos e oportunidades não observados (falaremos dessa ferramenta incrível em um próximo artigo!).

Com este propósito, fica demonstrado que, cada vez mais, as empresas necessitam de informações confiáveis para auxiliar nas tomadas de decisão. A Mazzola Contabilidade, como parte de sua estratégia, mantém como desafio ajudar os empresários a obterem tal conhecimento sobre as suas empresas.

Agora, é com você! Vamos trabalhar juntos e descobrir o poder dessa ferramenta?

Esperamos que este post tenha ajudado você a pensar nas mudanças pelas quais todos precisaremos passar.

Deixe aqui nos comentários alguma questão ou sugestão que poderemos utilizar para trocar novas experiências sobre o tema.

Um forte abraço e até breve!

Redação por: Rodrigo Costa, Sócio da Mazzola Contabilidade, Graduação em Ciências Contábeis pela UNIP, e Pós-Graduação em Administração com MBA em Controladoria e Finanças pela FGV. Revisão por: Pedro Paulo Gomes Ribeiro, processo Administração de Pessoal da Mazzola Contabilidade. Bacharel em Linguística, com especialização em Português e Espanhol pela Universidade de São Paulo.

10 Erros que impedem sua empresa de crescer

Não é fácil se destacar no mercado, sobretudo se você atuar em um segmento com bastante competitividade. Durante o percurso para alcançar o sucesso, muitos empresários acabam cometendo erros bastante comuns e é preciso estar atento para não cair nessas ciladas. No post de hoje listaremos os 10 erros mais comuns e vamos dar algumas sugestões de como você pode começar a implantar essas soluções na sua empresa agora mesmo.

1 – DESCONHECIMENTO DO PÚBLICO-ALVO

Você conhece bem o consumidor do seu produto ou serviço? Conhecer o público-alvo é imprescindível para alcançar o sucesso do seu negócio. No momento em que você está planejando as estratégias de marketing, vendas e divulgação do seu produto ou serviço é importante que seja mapeado o perfil do seu público-alvo ou do grupo de pessoas que você identifica como potenciais consumidores. Com o perfil do seu público bem definido, você saberá quais os canais mais adequados para estabelecer um relacionamento com eles e você também poderá utilizar essas informações para planejar as soluções oferecidas por sua empresa e às necessidades e expectativas do seu cliente. Comece fazendo uma pesquisa de mercado e não deixe de conhecer melhor o seu consumidor.

2 – FALTA DE INVESTIMENTO EM MARKETING

Agora que você conhece bem o seu público-alvo, como deixar de fazer uma excelente divulgação voltada para aquele consumidor que quer o seu produto/serviço? Se por um lado não conhecer o seu público-alvo é um erro grave, só conhecer o perfil dos seus clientes não é suficiente. Você precisa se comunicar com eles, conquistar a sua confiança e ouvir os seus feedbacks. Um dos principais objetivos do marketing é fazer com que aqueles que realmente precisam do seu produto ou serviço, saibam que ele existe. Por isso, invista em marketing! Esteja no meio digital! Apareça para o seu público-alvo!

3 – MEDO DE OUSAR

Não tenha medo, ouse! Os tempos mudam e, portanto, ater-se a metodologias e estratégias antigas, sem vislumbrar novas ideias, é extremamente prejudicial e pode minar o crescimento de uma empresa. Hoje em dia, o mercado está muito competitivo e, para conseguir destaque, você precisa fazer algo diferente. Isso vale para a sua comunicação, seu modelo de negócio, atendimento ao cliente, apresentação do seu produto e por aí vai. Caso contrário, o seu produto será apenas mais um produto.

4 – NÃO APROVEITAR AS FACILIDADES DO MEIO DIGITAL

Aproveite as facilidades que o meio digital pode oferecer. A importância do marketing digital na divulgação e alcance dos seus produtos e/ou serviços tornou-se enorme. Com bom direcionamento, é possível alavancar suas vendas e visibilidade, não apenas no meio físico, mas também via lojas online. O meio digital oferece um mundo de possibilidades para o seu negócio e muitas vezes até de forma gratuita.

5 – NÃO TER UM BOM ATENDIMENTO AO CLIENTE

Quem não gosta de ser bem atendido? Em qualquer modelo de negócio, um bom atendimento é primordial, pois é o principal canal de comunicação entre uma ‘’marca’’ e seu cliente, que, por sinal, é um de seus principais geradores de lucros. Invista em um atendimento personalizado e de qualidade que fideliza seu cliente.

6 – FALTA DE LIDERANÇA

O Líder é o responsável pelos resultados e pela equipe. Você empreendedor precisa ter comportamentos e atitudes de sucesso. Um Líder mesmo com título de CEO, se não tiver um time que acredite e confie nele, apresentará resultados muito baixos diante de todo potencial que poderia atingir. O mundo do empreendedorismo precisa de líderes que façam acontecer junto com sua equipe. Acredite e seja um líder!

7 – COLABORADORES DESMOTIVADOS

Um bom líder deve saber lidar com seus colaboradores. Por isso, faz parte das funções do gestor saber escutar, se sensibilizar e ter empatia, respeitar os outros e, é claro, saber quando e como cobrar resultados e quando é o momento de motivar sua equipe. Já é notório que funcionários mais satisfeitos, que se sentem valorizados dentro da empresa, produzem muito mais. Invista na sua equipe e ela trará o resultado esperado para o seu negócio.

8 – FALTA DE ORGANIZAÇÃO FINANCEIRA

Se você não conseguir manter as finanças da empresa sob controle e com total organização, será quase impossível crescer a longo prazo e de forma sólida. O monitoramento dos indicadores financeiros é uma das atividades essenciais da gestão do negócio, afinal, é dessa forma que é possível definir estratégias e planos baseados em informações reais, não apenas em meras suposições. Acompanhe o financeiro da sua empresa de perto, controle o seu fluxo de caixa e, caso sinta necessidade, converse com os consultores da Mazzola Contabilidade para que possam auxiliá-lo nesse processo.

9 – NÃO REALIZAR UM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

Apesar da sua importância dentro do mercado, a tributação é um tema que pode passar despercebido na gestão financeira do negócio e pode impactar negativamente o crescimento empresarial. Fazer um bom planejamento tributário da sua empresa vai ajudar a planejar, conhecer, analisar e estudar as formas existentes de tributação que norteiam o seu negócio. Desse modo, é possível identificar formas de diminuir as despesas empresariais e consequentemente melhorar a sua lucratividade. Conte com a Mazzola Contabilidade para compreender um pouco mais sobre esse assunto.

10 – NÃO DEFINIR METAS E OBJETIVOS DE CRESCIMENTO

Você Conhece aquela frase: “Quando a gente não sabe para onde vai, qualquer caminho serve”? (Lewis Carroll – Alice, no País das Maravilhas) Então, não saber aonde quer chegar é um erro básico de gestão e pode fazer com que empresa perca o rumo e, com isso, fique estagnada. Por isso, é importante definir um plano de negócio com metas e objetivos para sua empresa.

Você já cometeu algum dos erros que citamos aqui? Quais estratégias você utilizou para corrigi-los? Comente aqui embaixo, vamos dividir nossas experiências e trocar conhecimento. Estamos aqui para ajudar a alcançar o sucesso da sua empresa! Conte conosco.

Por: Juliana Marinho Farias, Auxiliar Fiscal da Mazzola Contabilidade (Redação) e Daiane Alegro Guido, Analista Financeiro da Mazzola Contabilidade (Revisão)