Como o empresário pode enfrentar a crise e sair dela mais forte

Primeiramente, eu levanto o questionamento: nos últimos tempos parece que estamos mais preocupados do que éramos a 10 anos atrás? Seja na vida Profissional ou Pessoal, o tempo parece estar passando mais rápido?

Você já ouviu falar da Lei de Moore? Não? Para explicá-la teremos de voltar no ano de 1965 quando o Presidente da Intel, Gordon Earle Moore, projetou que a quantidade de transmissores que eram produzidos e utilizados em equipamentos iria dobrar a cada 18 meses com o mesmo custo de fabricação e a mesma capacidade de processamento.

E então você me pergunta: O que esta Lei de Moore tem a ver com o texto? Ela nos manifesta que essa sensação de tempo acelerado e o fator de que estamos cada dia mais ocupados também seguem este princípio de escalonamento.

Agora, imagine a situação hoje vivida pela humanidade vivendo uma Pandemia atrelada a tentativa de empresários que buscam sobreviver por meio da procura de alternativas para seus negócios que muitas das vezes podem não existir.

Com o intuito de ajudar você empresário a entender melhor esta fase vivida, seguem três etapas para sua reflexão.

Consciência – Um ponto importante a se colocar em mente é que a não há um meio de enfrentar a tecnologia atrelada a 4ª Revolução Industrial, você precisará encontrar uma forma de se adaptar ao meio ou infelizmente sucumbira. Segundo Daniel Burrus, um Pensador americano, a tecnologia vai transformar todas as empresas. Para ilustrar deixo alguns exemplos clássicos: O Uber em Nova York atualmente conta com 80.000 associados, contra apenas 13.000 Taxis. O Airbnd com 6 anos de existência já tinha um milhão de quartos disponíveis. Segundo estudos da Universidade de Stanford, 47% das profissões existentes hoje irão ser extintas, mas a tecnologia irá criar muitas outras oportunidades profissionais que nem sequer imaginávamos a 10 anos atrás. Então, é necessário ter a consciência que não existe um meio de enfrentar o uso dessa tecnologia em sua empresa, como por exemplo, o Ifood nos casos dos restaurantes.

Previsão – A humanidade já passou por esse processo várias vezes principalmente no período da 4ª Revolução industrial. Serão criados o dobro das profissões e empregos novos próximos anos. Com certeza nossos filhos e netos irão trabalhar com algo que nem existe ainda. Segundo Mike Walsh, no seu livro “O Líder Algorítmico”, só iremos continuar a existir se conseguirmos criar valor para os clientes. A Amazon, a Netflix, o Uber, a Apple, o Ifood, entre outros serviços, não acabaram com as empresas, apenas oferece as pessoas uma oportunidade e liberdade para fazer algo de novo neste mundo globalizado.

Adaptação – Nós podemos e indubitavelmente devemos estar mudando antes da concorrência. Não podemos “seguir a onda”, mas sim precisamos estar surfando na frente dos outros. A capacidade da inteligência artificial está constantemente dobrando a cada 108 dias. Futuramente, teremos um ecossistema que já atualmente se torna cada vez maior e intenso na área empresarial. Em 2025, é estimado teremos no mercado de trabalho cerca de 75% da mão de obra a geração Milênios, que são os nascidos neste século XXI. Precisaremos saber ser líderes desta nova força de trabalho. É importante estar alerta para se adaptar e aprender novas habilidades.

Em resumo, precisamos ter a capacidade de viver em constante processo de assimilação e aprendizagem, ou seja, é necessário sempre DESAPRENDER para depois APRENDER novamente de uma outra maneira.

Um líder eficiente, deve antecipar as coisas, ter pensamento crítico, saber solucionar grandes problemas e não ficar se lamentando.

O Líder deve ter uma comunicação clara para que os clientes e colaboradores entendam a sua mensagem. 

Para ser um bom Líder precisa-se ter uma integração e colaboração, sua rede de contatos é de suma importância para resolver problemas e impulsionar negócios.

Esperamos que este post tenha ajudado você a refletir sobre como poderemos sair mais fortes após a pandemia. 

Deixe aqui nos comentários alguma questão ou sugestão que poderemos utilizar para trocar novas experiências sobre o tema 🙂

Redação por: Leonardo Mazzola, Contador, Advogado, Consultor Empresarial e Professor Universitário. Graduado pela Unianchieta em Contabilidade e Direito, e Pós-graduado em Contabilidade, Controladoria e Auditoria pela PUC-Campinas. Possui em seu currículo, treinamentos internacionais: Disney institute, Florida Christian University em Orlando, Stanford University na Califórnia, MIT Management em Boston e McGill Executive Institute em Montreal. Sócio-diretor das empresas Mazzola Contabilidade e Mazzola Soluções.
Revisão por: Gabriella Silva, processo Contábil da Mazzola Contabilidade. Cursando Ensino Superior em Ciências Contábeis pela UNIP de Jundiaí

4 Dicas de como o Planejamento Estratégico pode melhorar a sua liderança!

A arte de liderar é um grande desafio, onde poucos líderes conseguem impulsionar sua equipe à excelência. Na minha opinião, o Planejamento Estratégico é a melhor maneira para conseguir que o líder faça da empresa um trampolim para o sucesso e consequentemente melhorar seus indicadores de desempenho na liderança.

Neste texto irei falar um pouco de como utilizar o Planejamento Estratégico como uma ferramenta para propulsionar a liderança.

O Planejamento Estratégico é indispensável para que haja melhora e sucesso. Algumas empresas sofrem por não fazer, e outras sofrem por fazer em excesso, ou seja, uns não planejam nada e vivem do “fazejamento”, outras ficam só planejando e esquecem que precisam colocar em prática e correr riscos.

Imaginem um Diretor Comercial de uma grande empresa varejista tendo que fechar a meta de vendas do mês e ao mesmo tempo imaginando como será o mercado da empresa daqui a dois anos, ou ele faz uma coisa ou faz outra e se tentar fazer as duas não fará nenhuma.

O Planejamento Estratégico, também pode ser feito por alguém de fora da empresa, pois muitas vezes quem está de fora pode enxergar aquilo que os demais não têm tempo para ver.

Um consultor empresarial, é o profissional indicado para fazer o Planejamento Estratégico, pois pode enxergar fatos não vistos internamente.

A seguir, algumas ferramentas que podem ser utilizadas para fazer um Planejamento Estratégico:

  1. A definição da sua Missão, Visão e Valores, ou seja, precisamos conhecer melhor a empresa. Definir estas questões são fundamentais para o sucesso empresarial.
  2. O CANVAS também é uma ferramenta interessante que se utiliza de uma metodologia visual, onde é possível ter uma visão do todo. O site https://sebraecanvas.com/#/ do Sebrae disponibiliza um modelo gratuito.
  3. Análise SWOT, é a mais completa quando se fala em Planejamento Estratégico. Nesta matriz podemos verificar as Forças, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças, possibilitando uma visão abrangente da empresa e consequentemente verificar qual o melhor caminho a seguir.
  4. Definição das Metas, Indicadores de desempenho, Planos de ação e Monitoramento de resultados, são outros caminhos para um Planejamento Estratégico.

Concluindo, eu vejo que o “Planejamento Estratégico” é a melhor forma para que as empresas melhorarem seu desempenho.

Dessa forma a Liderança obterá uma melhor performance e sucesso em seu propósito de existência.

O papel do líder é compartilhar o planejamento com sua equipe e estar aberto a escutar críticas ou novas ideias, pois é sabido que a participação é uma boa estratégia de engajamento e desenvolvimento da equipe.

Tudo o que foi dito anteriormente é vivido intensamente dentro da Mazzola. Nos últimos anos, criamos expertises e estamos aptos a ajudá-los a fazerem o Planejamento Estratégico da sua empresa.

Se quiser falar mais sobre o tema estou à disposição. Entre em contato, através do meu WhatsApp (11) 96300-7116, e faremos um orçamento sem compromisso.

Ou então deixe aqui nos comentários alguma questão ou sugestão que poderemos utilizar para trocar novas experiências sobre o tema.

Redação por: Redação por: Leonardo Mazzola, Empresário Contábil, Advogado e Professor Universitário. Pós-graduado em Contabilidade, Controladoria e Auditoria pela PUC-Campinas. Revisão por: Daiane Alegro Guido, processo Financeiro da Mazzola Contabilidade. Graduação em Ciências Contábeis pela Anhanguera, e Pós Graduação em Controladoria e Finanças pelo SENAC.

Liderança Compartilhada em Tempos de Crise

Inicialmente, vamos conceituar Liderança como sendo o ato de influenciar as pessoas, com o intuito de atingir um propósito. Não podemos considerar que ser Líder é apenas ter um título, como CEO, Diretor ou Gerente.

Temos o Líder que usa da autoridade vertical, isto é, aquele que sempre adota a lógica do “faça apenas o que eu mando”.

Mas o correto no nosso ponto de vista é o Líder que usa da influência.

O que diferencia o verdadeiro Líder é o seu posicionamento em relação aos seus liderados.

Nos dias de hoje, é muito difícil liderar com a velocidade com que as coisas acontecem, logo, não há como nos apegarmos ao cargo e funções exercidas.

A Internet nos dá acesso a tudo a cada momento e a computação em Nuvem nos trouxe a capacidade de processar dados de forma infinita.

Um exemplo é o Google, que é bem-sucedido porque sempre está olhando para o lugar certo. O que quisermos saber, ele tem as informações.

E daí eu lhe pergunto:

Estamos filtrando as informações certas para o nosso time? Ele sabe o que é útil ou não?

Desta forma, você precisa se cercar de grandes pessoas, precisa ter os melhores profissionais ao seu lado, pois somente assim conseguirá inovar sempre.

A criação da influência, no nosso ponto de vista, se faz a partir de uma equipe com os melhores profissionais. Fazer um feedback a intervalos regulares, do Líder pelos liderados e vice-versa, é de suma importância.

O profissional deve estar alinhado com os demais, do contrário irá trazer problemas para toda a organização.

Liderança requer que todos conheçam suas funções e suas responsabilidades.

A Liderança precisa ter prestação de contas. Você precisa buscar a Liderança da Humildade, precisa estar rodeado de pessoas melhores que você. E reconhecer isso, publicamente.

Outra dica é que as perguntas são mais importantes que as respostas. Devemos influenciar as pessoas para que se apaixonem pela solução de problemas. Ou seja, foque no talento do seu liderado, assim você irá incentivá-lo a ter criatividade para poder resolver os problemas.

Podemos também utilizar da ferramenta “Líder de Projeto”, assim todos podem ser Líderes dentro da equipe, num espaço de tempo predeterminado.

Concluindo, vemos que a Liderança da Influência é a chave para poder ser um Líder melhor. E nesse processo, estar cercado de profissionais melhores que você, também tem um papel decisivo.

Esperamos que este post tenha ajudado você a pensar nas mudanças pelas quais todos precisaremos passar.

Deixe aqui nos comentários alguma questão ou sugestão que poderemos utilizar para trocar novas experiências sobre o tema.

Redação por: Leonardo Mazzola, Empresário Contábil, Sócio da Mazzola Contabilidade, Advogado e Professor Universitário. Pós-Graduado em Contabilidade, Controladoria e Auditoria pela PUC-Campinas. Revisão por: Pedro Paulo Gomes Ribeiro, processo Administração de Pessoal da Mazzola Contabilidade. Bacharel em Linguística, com especialização em Português e Espanhol pela Universidade de São Paulo.

Liderança no Home Office

Em tempos de Pandemia, onde o contato é limitado e o isolamento social é necessário para a preservação da saúde da equipe e clientes, o Home Office foi a saída para muitas empresas.

Apesar de ser um método conhecido há um bom tempo e já utilizado, sua adaptação costuma ser diferente entre as pessoas. Para alguns, a capacidade de concentração aumenta e consequentemente sua produtividade, para outros, o desempenho diminui, não obtendo os mesmos resultados se comparado a um ambiente corporativo.

Diante deste cenário, questiona-se como o líder pode auxiliar sua equipe durante o Home Office, mantendo-a comprometida e desempenhando seu importante papel mesmo que a distância. As características de um bom líder que já eram necessárias anteriormente são ainda mais exigidas no Home Office.

O líder deve se manter confiante, passando segurança para os liderados.

A cobrança deve ser feita de forma dosada para que seus colaboradores não se sintam pressionados ou abandonados com a falta dela.

A comunicação deve ter limite, respeitando o horário de almoço e término do expediente.

Ser compreensível durante o período de Home Office é fundamental, pois em algumas situações como criança em casa ou barulho excessivo no local podem atrapalhar o rendimento e desempenho das funções.

Mostre para a equipe que é possível ter produtividade com liberdade, de fato, o que faz diferença é o comprometimento e a entrega.

Outro fator importante de responsabilidade do líder é delegar tarefas. Com a dificuldade para alguns de se trabalhar em casa, as tarefas devem ser bem divididas entre toda a equipe para que não haja sobrecarga, inclusive para o líder, que deve estar atento aos acontecimentos e dando suporte para que não haja queda no rendimento de seus colaboradores.

A contribuição necessária de cada integrante da equipe deve estar sempre em mente, com metas e objetivos claros e bem planejados para que o resultado seja atingido. Hoje, existem muitos softwares e sites que ajudam no controle das atividades e da organização. Na Mazzola Contabilidade utilizamos o Trello, que é uma ferramenta para gerenciamento de tarefas.

A prioridade deste momento, com certeza é a comunicação e com o avanço da tecnologia, temos diversos meios disponíveis. As ferramentas devem ser utilizadas sem moderação pelos líderes para manter o foco nos objetivos da empresa. Reuniões por videoconferência, esclarecimentos por telefone ou WhatsApp serão cada vez mais comuns. Sua missão é não permitir que haja falhas na comunicação. O feedback é fundamental, reconhecendo os resultados de um bom trabalho ou apresentando melhorias. A palavra do momento é Equilíbrio.

Lembre-se que é das grandes ondas que nascem os melhores surfistas, por isso, busque oportunidades e enxergue melhorias no processo, como por exemplo o envio de documentos para clientes ou fornecedores de forma digital, você utilizará ferramentas digitais e irá reduzir custos.

Algumas dicas podem auxiliar você e sua equipe na adaptação do home office:

  • Planeje o seu dia: Liste as atividades que irá executar durante o dia e estabeleça horários para determinadas tarefas como coffee break ou verificar e-mail.
  • Se necessário, crie rituais: Quando há dificuldades de separar a vida pessoal de sua rotina profissional, ou sente falta dela, mantenha os mesmo hábitos de quando ia para a empresa, tome café da manhã, tire o pijama e se arrume para  trabalho, isso ajudará sua mente a entender que está iniciando o seu expediente de trabalho.
  • Tenha momentos de descontração: Mesmo não podendo sair ou manter o contato físico, separe um tempo para descontrair com a família, amigos e com a equipe de trabalho. Faça happy hour digital. Seu psicológico e emocional agradece.
  • Aproveite o tempo livre: O tempo que era gasto com o deslocamento por exemplo, pode ser usado para ler um livro, estudar, meditar, praticar exercícios. Cuide de você!

Por: Caroline Morais Pinto, Analista Contábil da Mazzola Contabilidade (Redação) e Daiane Alegro Guido, Analista Financeiro da Mazzola Contabilidade (Revisão)