Gestão do Tempo: Aprenda como priorizar tarefas

Antes de começarmos, gostaria que você respondesse a duas perguntas:

  1. Você gostaria de ter mais tempo?
  2. Para quê?

Talvez você tenha respondido como ter mais tempo para aumentar sua qualidade de vida, seja ela estar com a sua família, amigos, fazer coisas que você gosta e/ou cuidar de sua saúde!

Isso acontece porque grande parte do nosso tempo é gasto fazendo atividades externas, geralmente profissionais, um âmbito que nos cobra resultados cada vez maiores ou estaremos sujeitos a consequências, como, por exemplo, demissão ou falência. Dessa forma, colocamos nossa vida pessoal em segundo plano, pois tende a ser muito mais equilibrada e acaba sendo menos urgente… apesar de ser mais importante!

 Para alcançarmos um equilíbrio em todos os aspectos, devemos gerenciar nosso tempo e atividades cotidianas com o objetivo de alinhar nossos propósitos. Com isso, separamos algumas dicas e ferramentas para lhe ajudar a consolidar suas atividades, com o intuito de levar uma vida balanceada! Venha conferir:

• METAS

            Defina suas metas de curto (dias e meses), médio (anos) e longo prazos (sonho/legado). Elas devem estar alinhadas com os seus objetivos e ambos devem ser claros, importantes e alcançáveis.

• URGENTE X IMPORTANTE

            Saiba separar o que é urgente (atividades que possuem um prazo imediato) e o que é importante (atividades alinhadas ao seu interesse, valores e prioridades).

Juntando esses dois pontos, conseguimos separar o gerenciamento do tempo em quatro quadrantes, conhecidos como “Matriz do Tempo” – técnica desenvolvida pelo Stephan Covey, autor do livro “Os 7 hábitos das pessoas altamente eficazes”. O autor ressalta a importância de se planejar, priorizar, desfrutar e descartar atividades e, assim, fugir da corrida de ratos (expressão criada pelo investidor Robert Kiyosaki, autor do livro “Pai Rico, Pai Pobre”, utilizada para representar o ciclo exaustivo que uma pessoa vivencia durante sua vida).

Os quadrantes são conhecidos como:

  • Quadrante 1: Necessidade
  • Quadrante 2: Eficácia
  • Quadrante 3: Decepção
  • Quadrante 4: Desperdício

Cada um desses quadrantes pode gerar as seguintes consequências:

  • Necessidade – Neste quadrante, encontramos a pressão psicológica, já que tudo passa a ser urgente. No entanto, gera uma sensação de falso “alívio” quando conclui determinada atividade;
  • Eficácia – Este é o quadrante ideal, pois nele conseguimos planejar nossas atividades com antecedência, ter prevenção e preparação, além de aumentar nossos relacionamentos com outras pessoas, etc;
  • Decepção – Aqui ocorre a perda de tempo com interrupções sem grande relevância, gerando uma sensação de que não fez nada;
  • Desperdício – Por último, o quadrante da procrastinação, onde realizamos atividades de fuga (como acesso às redes sociais) e pausas em excesso.

Após compreender cada quadrante e suas devidas consequências, devemos alinhar e planejar para lidar com certas atividades. O objetivo é ter mais tempo para se dedicar ao quadrante de número 2, e reduzir os quadrantes 1, 3 e 4:

Esse levantamento dos quadrantes pode ser utilizado tanto para nossa vida profissional quanto pessoal. Só assim conseguiremos visualizar quais atividades podem ser consideradas nossos “ladrões de tempo”.

Crie o hábito de planejar sua semana e monitorá-la diariamente! Quando você não planeja, são as demandas externas que decidem o que deve ser feito.

Seguindo nossas dicas, você conseguirá agir com mais sabedoria em sua rotina. Sempre que necessário, adapte suas atividades à sua realidade, para que não ocorram desânimos ou frustações. Pequenos ajustes fazem parte do processo!

Até o próximo post! ☺♥

Redação por: Kethelyn Siqueira, processo Contábil da Mazzola Contabilidade. Graduação em Ciências Contábeis pela Universidade Paulista.
Revisão por: Pedro Paulo Gomes Ribeiro, processo Administração de Pessoal da Mazzola Contabilidade. Bacharel em Linguística, com especialização em Português e Espanhol pela Universidade de São Paulo.

As principais dicas e cuidados para não ter problemas com a declaração de Imposto de Renda 2022

Neste ano a Declaração de IR completa 100 anos e o prazo de entrega teve início no dia 07 de Março de 2022, houve um atraso na liberação do sistema por parte do Fisco.

Em 07 de março, iniciamos a entrega das declarações de IR 2022, referente ao ano base 2021, terminando o prazo em 29 de abril, estima-se que teremos 34 milhões de declarações entregues.

Neste post irei tentar passar algumas dicas e cuidados para que vocês não tenham problema com o Fisco.

Segue abaixo as minhas principais observações para evitar problemas com o Fisco:

  1. Certifique-se que não há omissão dos rendimentos, logo não esqueça de verificar certinho se todos os rendimentos do ano estão declarados.
  2. Cuidado com o crescimento patrimonial (bens e dívidas), pois deve ser compatível com esses rendimentos que você teve durante o ano.
  3. Cuidado com as aplicações realizadas em bolsa de valores, as omissões de informações estão levando os contribuintes para a Malha Fina.
  4. Erro de digitações de dados de dependentes, fontes pagadoras, planos de saúde, entre outros, também te levarão a ter que justificar tais divergências para o fisco.
  5. Certifique-se que as despesas apresentadas podem ser deduzidas. Só inclua despesas comprovadas e com documentação hábil. Lembrando que a cada ano as restrições de despesas dedutíveis está maior.
  6. Fique atento na venda de bens, hoje a Receita Federal cruza as informações com o Detran e Cartório de Imóveis.
  7. Cuidado com eventual aluguel recebido via Airbnb ou Booking, a Receita Federal está atenta para esta movimentação Financeira.
  8. A sua Fatura do Cartão de Crédito é dedo duro, veja se seus gastos estão compatíveis com seus rendimentos.
  9. Hoje a Receita Federal cruza a sua movimentação financeira com a sua declaração de IR, então tome todo cuidado com eventual omissão de informações de Renda.  O saldo bancário em conta corrente ou aplicações que você pode acabar esquecendo de declarar, tome cuidado para não cometer esta falha.
  10.  Cuidado a Receita Federal já está cruzando as informações com o eSocial, logo tome muito cuidado com as informações que o fisco já tem na sua base de dados, com domésticas, salários, etc.
  11.  Com a supervalorização de veículos usados, pode ser que você tenha tido lucro na venda. Cuidado isto gera também imposto de renda a recolher, conhecido como GCAP e neste ano o RENAVAM será obrigatório ser informado.
  12.  A Receita Federal está de olho no mundo digital, fique atento caso tenha criptoativos, eles devem ser declarados na ficha de bens e caso tenha lucro em eventual venda, também incidirá o imposto de renda.
  13.  Neste ano a Receita também vai questionar se o dependente mora com o declarante, fique atento para não ter problemas com informações equivocadas.

Por fim saliento que uma declaração bem elaborada por um profissional qualificado, irá te trazer mais tranquilidade.

A Mazzola Contabilidade, possui uma equipe altamente especializada para atender todas as demandas sobre o tema.

Faça sua declaração conosco! Entre em contato por meio dos telefones: (11) 4587–2043 / (11) 99253–1549

Ah! Fique atento: não deixe para a última hora! O prazo termina em 29 de abril de 2022!

Lembrando que Amor é igual ao Imposto de Renda, sempre precisa ser declarado.

Espero que este post tenha ajudado você a pensar nos cuidados que todos os contribuintes precisam ter com sua declaração de IR.

Deixe aqui nos comentários alguma questão ou sugestão que poderemos utilizar para trocar novas experiências sobre o tema.

Redação por: Leonardo Mazzola, Empresário Contábil, Advogado, Consultor Empresarial e Professor Universitário. Graduado pela Unianchieta em Contabilidade e Pós-graduado em Controladoria e Auditoria pela PUC-Campinas, possui em seu currículo, treinamentos internacionais: Disney institute, Florida Christian University em Orlando, Stanford University na Califórnia, MIT Management em Boston e McGill Executive Institute em Montreal. Sócio-diretor das empresas Mazzola Contabilidade e Mazzola Soluções.
Revisão por: Cíntia Calixto, processo Administração de Pessoal da Mazzola Contabilidade. Tecnólogo em Gestão de Recursos Humanos, pela Faculdade Anhanguera de Jundiaí

CONTADOR & EMPRESÁRIO: UMA PARCERIA IMPLACÁVEL

Para poder gerir um negócio da melhor forma possível, é imprescindível que você possua dados e informações sobre a sua empresa para auxiliá-lo nas tomadas de decisão no seu dia a dia. Estes dados, por sua vez, são levantados pela contabilidade da sua empresa, que é a responsável por realizar todos os registros financeiros, societários, fiscais e trabalhistas.

O contador, antigamente conhecido como “guarda livros”, consegue atuar de maneira estratégica, indo além dos simples registros contábeis, realizando todo um diagnóstico da entidade. Dessa forma, após ter todas as transações registradas, fica mais fácil identificar onde se deve agir e, então, efetuar o gerenciamento.

Porém, antes de tudo, precisamos deixar alguns pontos claros: as responsabilidades de cada um:

• Contador:

O Contador é o profissional responsável por fazer os registros contábeis e as entregas de todas as obrigações acessórias de uma empresa – declarações mensais/trimestrais/anuais para as diversas esferas da administração pública: Federal, Estadual e Municipal.

Exemplos de algumas obrigações acessórias:

  1. DIMOB: Declaração anual para empresas com atividades imobiliárias;
  2. DeSTDA: Declaração destinada para empresas do Simples Nacional que tiveram (no mês) tributação de ICMS (substituição tributária – ST e/ou diferença de alíquota – DIFALI);
  3. DCTF: Declaração mensal para empresas do Lucro Real, Presumido e Isentas, com o intuito de demonstrar os impostos federais e sua devida quitação.

Este profissional precisa ser formado em Ciências Contábeis e possuir seu registro ativo pelo Conselho Regional de Contabilidade (CRC).

Atualmente, com o auxílio de novas tecnologias, consegue otimizar seu tempo na preparação e entrega das rotinas contábeis, além de ser capaz de produzir dados que têm o objetivo de ajudar o empresário.

• Empresário:

O Empresário é o responsável pela empresa e tem o dever de compilar todas as informações e enviar para o contador, sendo necessário ter um certo conhecimento da área para poder entender e realizar as tarefas, principalmente as de responsabilidade direto ao Fisco, como, por exemplo, emissão de notas fiscais.

Para que essa parceria funcione, ambos devem compartilhar valores semelhantes. E contratar os serviços de uma contabilidade não significa para o empresário isenção total da responsabilidade. Por isso, não negligencie informações! Lembrando ainda que é dever do contador cumprir as lei e/ou regulamentos impostos, mas também é possível buscar alternativas dentro lei para contribuir com o crescimento das empresas.

Listamos, ainda, as principais informações que devem ser enviadas para a contabilidade de sua empresa, a fim de contribuir ainda mais para essa parceria ser implacável:

Extratos Bancários – Envie os extratos bancários, tanto de conta corrente como de conta aplicação, assim é possível realizar todo o registro financeiro, como por exemplo: impostos retidos, rendimentos, cobrança de tarifas, juros e/ou IOF;

Relatórios Financeiros – Estes ajudam a identificar os pagamentos e recebimentos. Podem ser relatórios exportados de um sistema ou planilhas financeiras. É imprescindível que os relatórios possuam informações, tais como: nome do fornecedor/cliente, número da nota fiscal, data da transação, valor pago/recebido, e deve conferir com o saldo bancário;

            • Comprovantes de Pagamento de Impostos – O envio destes é fundamental, visto que, caso haja algum erro na hora de realizar o pagamento de um imposto, será necessário entrar com um processo na Receita Federal para compensar ou restituir o valor pago;

            • Apólices – No caso de contratação de seguros, deve ser enviada a apólice de seguro para realizar sua contabilização;

            • Contratos – Importante enviar todos os contratos fechados no CNPJ da empresa, sejam eles de contratação de empréstimos, aluguel de imóveis e/ou maquinários, etc.

OBS: No caso de aluguel pago para pessoa física na contraparte, o mesmo possui incidência de imposto! Quaisquer dúvidas, entrar em contato com o departamento contábil!

            Com o propósito de ajudar nossos clientes no que for preciso, a Mazzola Contabilidade disponibiliza uma plataforma que possibilita o envio dos documentos de forma totalmente digital, além de possuir um número de telefone para cada departamento, visando facilitar a comunicação.

Caso você, empresário, tenha interesse em fazer parte do time da Mazzola Contabilidade, entre em contato pelo número (11) 96633-4295. Será um imenso prazer tê-lo como nosso parceiro!

Até o próximo post !☺♥

Redação por: Kethelyn Siqueira, processo Contábil da Mazzola Contabilidade. Graduação em Ciências Contábeis pela Universidade Paulista.
Revisão por: Pedro Paulo Gomes Ribeiro, processo Administração de Pessoal da Mazzola Contabilidade. Bacharel em Linguística, com especialização em Português e Espanhol pela Universidade de São Paulo.

Como elaborar um plano de ação utilizando a ferramenta 5W2H

Você sabe o que é um Plano de Ação e qual a importância dele? Sabe como montar um e aplicar dentro da sua empresa? Se a sua resposta for NÃO, ou você até sabe, mas quer se aprofundar mais no assunto, então este artigo é para VOCÊ!

O Plano de Ação nada mais é do que uma ferramenta de gestão empresarial, que se baseia em uma metodologia que define metas e objetivos, divide as atividades a serem realizadas, estabelece os responsáveis por cada etapa e faz o acompanhamento do andamento de um projeto, visando atingir um resultado almejado.

Essa ferramenta é fundamental para garantir o sucesso e eficácia de um projeto, através do planejamento e elaboração das etapas de iniciação, planejamento, execução, monitoramento e encerramento.

Quando o Plano de Ação não é realizado, pode gerar alguns problemas, como desgaste da equipe, sobrecarga, atraso na entrega de produtos/serviços, gastos desnecessários, retrabalho, entre outros.

Existem diversas metodologias e ferramentas para se criar um Plano de Ação. No artigo de hoje iremos falar sobre a ferramenta 5W2H.

Essa ferramenta é baseada em uma metodologia que consiste em 7 perguntas essenciais para ajudar a elaborar um Plano de Ação. As respostas destes questionamentos serão como um guia para ajudar a desenvolver o projeto, de forma mais organizada, clara e assertiva.

A sigla 5W2H refere-se a 7 palavras em inglês, sendo elas:

  • What (o quê): O que será feito? Aqui é definido qual é o projeto, quais os objetivos e as metas a serem alcançadas;
  • Why (por quê): Por que está sendo feito? Nesta etapa é determinada a razão da existência do projeto, a sua importância, e se ele irá solucionar algum problema ou melhorar algo;
  • Where (onde): Onde será feito? É estabelecido o local onde será feito, se será em algum departamento ou setor específico;
  • When (quando): Quando será feito? Nesta etapa é elaborado o cronograma detalhado com prazos;
  • Who (quem): Quem será o responsável por fazer? Nesta fase é determinada a equipe que irá ajudar na execução do projeto. É importante especificar detalhadamente o que cada pessoa irá ficar responsável por fazer;
  • How (como): Como será feito? É a etapa responsável por definir os critérios, estratégias e metodologias que serão usadas para atingir o objetivo;
  • How Much (quanto): Quanto irá custar? Por último, mas não menos importante, é necessário estipular qual será a despesa total para cumprir todas as atividades planejadas.

Agora que você já conhece bem todas as etapas da ferramenta 5W2H, separamos algumas vantagens que se têm ao realizar este tipo de Plano de Ação. Confira abaixo:

  • Pode ser utilizada por todos os portes de empresas;
  • Promove a melhoria contínua;
  • Melhora a organização e planejamento;
  • Proporciona a otimização do tempo;
  • Conduz à economia de recursos;
  • Gera aumento da produtividade.

E então, vamos colocar em prática?

Você deve estar se perguntando: “OK, mas como faço para aplicar esta ferramenta?”

Para colocar em prática, você precisa criar um documento que contenha todas as perguntas e espaço para as respostas, de forma que tudo seja bem detalhado. Isso pode ser feito em uma planilha, dividindo em 2 colunas, sendo a primeira para as perguntas e a segunda para as respostas. Também pode ser utilizada alguma outra ferramenta de gestão, tal como o Trello.

Para concluir, o Plano de Ação no modelo 5W2H pode ser aplicado em diversas situações, e até mesmo em diversas áreas da vida, ou seja, não apenas na vida profissional, mas também na vida pessoal.

Lembrando que não importa o porte da sua empresa, ou o tamanho do projeto a ser executado. Ao criar este tipo de Plano de Ação, irá assegurar que você atinja o seu objetivo com o melhor resultado possível. Aplique a ferramenta 5W2H dentro da 5W255na sua empresa e você irá perceber que fará uma enorme diferença!

Ficou com alguma dúvida ou precisa de ajuda para elaborar um Plano de Ação na sua empresa? Nós podemos ajudar!

Entre em contato conosco pelo número (11) 96633-4295 ou envie um e-mail para contato@mazzolanet.com.br .

Temos uma equipe especializada em gestão empresarial e planejamento estratégico. Teremos o maior prazer em ajudar!

Gostou deste conteúdo? Compartilhe com outras pessoas!

Não esqueça de deixar seu comentário aqui embaixo, sua opinião é extremamente importante para nós.

Até o próximo artigo! 😉

Redação por: Gisele Rossani, processo Comercial e Marketing da Mazzola Contabilidade. Graduação em Comunicação Social – Publicidade e Propaganda pela UNIP de Jundiaí.
Revisão por: Pedro Paulo Gomes Ribeiro, processo Administração de Pessoal da Mazzola Contabilidade. Bacharel em Linguística, com especialização em Português e Espanhol pela Universidade de São Paulo.

Valuation: Por que é tão importante saber o valor da sua empresa

Você já parou para pensar o quão importante é saber o valor da sua empresa? E para que saber o valor dela no mercado?

Hoje quero falar com você sobre Valuation e sua importância na gestão dos negócios.

Antes de falar do mundo empresarial, vamos pensar antes em imóveis, que é um exemplo mais clássico e fácil de entender, pois quando compramos um terreno e construímos uma casa, investimos muito tempo e dinheiro para planejá-la de forma que haja lucro numa eventual venda futura, por isso gerenciamos este imóvel com todo cuidado e carinho.

Vamos pensar no mundo dos negócios: Quando criamos uma empresa, temos o objetivo comercial, dela ser rentável para que seu valor no mercado seja compensador para o empresário que queira vendê-la futuramente e para o comprador que irá investir dinheiro para ter retorno o mais rápido possível.

Todo empresário precisa ter em mente que uma empresa pode ser vendida a qualquer momento, por isso apego emocional por ela só trará decisões equivocadas, assim ter uma empresa é ter um investimento e ele poder ser de curto e a longo prazo, tudo dependente da opção do empresário, o que importa é ter uma empresa vencedora.

Podemos também pensar que cuidar bem de uma empresa é como cuidar de uma árvore frutífera: todo dia precisa ser monitorada, regada e adubada, para que dê frutos, além disso esses frutos precisam ser constantes e saborosos.

Como você está cuidando da sua empresa? Já pensou nisso?

Falei tudo isso na introdução deste artigo, pois o valor do lucro operacional da empresa é o que impacta fortemente no Valuation dela, ou seja, na sua valorização no mercado.

Porém, muitos empresários usam o “achismo” para mensurar o valor de uma empresa, analisam o quanto ela possui de bens e somam ao valor do faturamento multiplicado por 12 para saber o valor de mercado dela.

Infelizmente, esse cálculo não representa a veracidade do valor de uma empresa e é por isso que a Mazzola Soluções decidiu investir neste mercado, criando uma consultoria especializada para definir o valor de uma empresa, o famoso Valuation.

Usamos a metodologia do Fluxo de Caixa Descontado, que representa uma melhor fidelidade à realidade da empresa, sendo possível mensurar o valor verdadeiro dela.

Essa metodologia consiste em analisar o passado da empresa, verificando qual foi o valor médio do lucro operacional dela, projetando, conforme pesquisas de mercado, qual seria esse lucro daqui 5 anos.

Além disso avaliamos os potenciais riscos do negócio, o risco país e possíveis contingências que poderão impactar no rumo da empresa.

Avaliamos o valor dos bens a depreciação de mercado, somando-o ao valor final da empresa, criando 3 possíveis cenários para ela: Pessimista, Realista e Otimista.

A conclusão final verifica a situação que vive o país para opinar qual o melhor cenário que a empresa se encaixa, chegando assim com exatidão do Valuation dela.

Essa metodologia é amplamente usada por muitas consultorias no país, assim nossos estudos apontaram maior credibilidade para uso e mensuração do valor da empresa.

É imprescindível que o empresário tenha em mente que as empresas foram feitas para vencer e cuidar da sua gestão é parte essencial do compromisso que se deve ter com ela.

Para se aprofundar no assunto de como gerenciar melhor uma empresa sugiro a leitura do livro “EMPRESAS FEITAS PARA VENCER”, de Jim Collins. Leitura essencial para quem quer transformar sua empresa em sucesso.

E fique ligado, pois a Mazzola está preparando algo especial para ajudar você empreendedor na gestão do seu negócio com o curso “CRIANDO EMPRESAS DE SUCESSO”.

Mas se você precisa saber o valor da sua empresa, a Mazzola Soluções está preparada para te ajudar e para isso entre em contato conosco pelo e-mail rodolfo@mazzolanet.com.br ou pelo telefone (11) 97073-9090.

Se curtiu este artigo, comenta e compartilha, sua opinião é muito importante para nós e ajudará muito nossa equipe a criar conteúdo de valor para você!

Obrigado e até a próxima!

Redação por: Rodolfo Mazzola, sócio da Mazzola Contabilidade e Mazzola Soluções.; Graduação em Ciências da Computação e Ciências Contábeis pelo Unianchieta.
Revisão por: Cíntia Calixto, processo Administração de Pessoal da Mazzola Contabilidade. Tecnólogo em Gestão de Recursos Humanos, pela Faculdade Anhanguera de Jundiaí

BPO Financeiro: As vantagens de terceirizar o departamento financeiro da sua empresa

No texto de hoje iremos abordar um tema interessante que é a terceirização do Departamento Financeiro.

Inicialmente vamos conceituar dois termos: Terceirização e Departamento Financeiro.

Terceirização é o ato de delegar as atividades relacionadas a uma área a outrem que no nosso caso é o Departamento Financeiro.

Departamento Financeiro tem como objetivo cuidar das finanças da empresa, através de controles das Receitas, Custos e Despesas ocorridas num período. Mantendo o bom funcionamento da empresa e sua relação com Clientes, Fornecedores, Colaboradores e Governo. Desta forma a organização mantem equilibrada sua situação financeira e lhe permite honrar em dia com todos seus compromissos.

Além do que foi citado anteriormente, o Departamento Financeiro é responsável em apresentar indicadores de desempenho para que os gestores da empresa possam tomar suas decisões com mais segurança e transparência.

A Terceirização do Departamento Financeiro da empresa permitirá ao Gestor da empresa mais tempo para focar no core business do seu negócio, como Compras, Vendas, RH, atendimento ao cliente, entre outras atividades, além reduzir custos com salários e encargos sociais.

Segundo estudo realizado no ano de 2016 pela empresa Deloitte em sua publicação Global Outsourcing Survey, 1/3 dos entrevistados já utilizam da terceirização do Departamento Financeiro com sucesso e demonstram que a maior razão é a redução de custos, aumento do foco no core business e solução de problemas de capacidade. Fonte Conta Azul.

Para finalizar, vamos falar um pouco sobre BPO Financeiro, termo muito divulgado na mídia nos últimos tempos.

BPO é uma sigla em inglês que quer dizer Business Process Outsourcing, ou seja, terceirizar a gestão de um determinado processo dentro da empresa, logo BPO Financeiro é quando você contrata uma organização especializada para cuidar do seu Processo Financeiro.

A Mazzola Soluções é um exemplo e está preparada para cuidar do seu BPO Financeiro, lá você terá o controle do suas contas a receber e a pagar, conciliação bancária minuciosa, indicadores de desempenho do processo e relatórios gerenciais para a tomada de decisões.

Hoje, prestamos este serviço para vários clientes, então venha para o mundo das Soluções e surpreenda-se!

Caso tenha interesse em conhecer mais sobre o tema, estamos disponíveis para um bate-papo sobre o assunto.   

Esperamos que este post tenha ajudado você a refletir sobre o tema.

Deixe aqui nos comentários alguma questão ou sugestão que poderemos utilizar para trocar novas experiências.

Redação por: Leonardo Mazzola, Contador, Advogado, Consultor Empresarial e Professor Universitário. Graduado pela Unianchieta em Contabilidade e Direito, e Pós-graduado em Contabilidade, Controladoria e Auditoria pela PUC-Campinas. Possui em seu currículo, treinamentos internacionais: Disney institute, Florida Christian University em Orlando, Stanford University na Califórnia, MIT Management em Boston e McGill Executive Institute em Montreal. Sócio-diretor das empresas Mazzola Contabilidade e Mazzola Soluções.
Revisão por: Daiane Alegro Guido, processo Financeiro da Mazzola Contabilidade. Graduação em Ciências Contábeis pela Anhanguera, e Pós Graduação em Controladoria e Finanças pelo SENAC.

Diagnóstico Organizacional – O que é e por que devo fazer?

Uma organização empresarial, assim como o nosso corpo, pode ser entendida como um sistema de relações entre os diversos órgãos, setores, instâncias, departamentos e indivíduos que nela cumprem atividades isoladas ou coletivas, mas que, de qualquer maneira, têm impacto sobre todo o sistema.

Da mesma forma que ocorre conosco quando estamos doentes, também ocorre com as organizações empresariais: percebemos os sintomas do problema, mas raramente descobrimos a causa sem a ajuda de um especialista – no caso do indivíduo, um médico ou outro profissional da saúde e, no caso das empresas, um consultor especializado.

Um erro comum que a grande maioria dos empresários e gestores cometem é atribuir as causas dos problemas a fatores externos, tais como: crises econômicas, clientes infiéis, concorrentes desleais, empregados preguiçosos, porque está chovendo, porque está fazendo sol, porque o Corinthians perdeu, porque o Palmeiras não tem mundial, etc.

Brincadeiras à parte, todos nós sabemos que muitos fatores externos, como crises econômicas, má gestão pública, crises políticas e institucionais, têm enorme impacto negativo nos negócios e na sociedade, mas não é sensato atribuir a eles todos os problemas que enfrentamos no trabalho e nos negócios.

Fatores externos, como os citados acima, não estão diretamente sob o nosso controle, podemos e devemos lutar para que as coisas melhorem, exercendo nosso papel de cidadãos e nos organizando enquanto sociedade civil.

Contudo, o que realmente cabe e está diretamente sob o controle do empresário e gestor, é cuidar da própria casa, da saúde de sua organização. Para isso, é preciso perceber não apenas os sintomas, mas, acima de tudo, encontrar e solucionar as causas internas dos problemas, pois, assim como uma doença, elas corroem e destroem silenciosamente as estruturas organizacionais.

Já que estamos convencidos da importância de se fazer um bom diagnóstico organizacional para encontrar possíveis “doenças”, vamos a algumas dicas de quais são os principais exames a serem realizados.

CULTURA ORGANIZACIONAL

Cultura organizacional é o conjunto de crenças, valores, hábitos, comportamentos e políticas que definem como a organização conduz suas ações e negócios, e como esta organização se relaciona com as partes interessadas (clientes, fornecedores, sócios, colaboradores, sociedade civil etc.).

A seguir, algumas perguntas que ajudam no diagnóstico:

– Nossa cultura organizacional foi pensada e construída de forma consciente pelos fundadores, sócios e suas lideranças?

– Essa cultura é apropriada para o negócio da empresa e está adequada à cultura regional de seus clientes, fornecedores, colaboradores etc.?

– Os princípios dessa cultura estão bem mapeados e descritos em documentos internos da organização (Missão, Visão, Valores, Políticas Internas, Regulamentos etc.)?

– Como é comunicada e disseminada essa cultura para os colaboradores?

CLIMA ORGANIZACIONAL

Clima organizacional é a qualidade do ambiente de trabalho, e aqui estamos falando nos relacionamentos entre as pessoas (sócios, gestores, equipes etc.), e no engajamento das pessoas com as ações da empresa, a aderência à cultura organizacional, e como as pessoas se sentem em relação aos diversos fatores envolvidos nas relações de trabalho (salários, benefícios, incentivos, segurança, treinamento e desenvolvimento, autonomia de trabalho etc.).

Para este diagnóstico, é fundamental a elaboração de um questionário e a escuta imparcial de um especialista de todas as pessoas que trabalham na empresa, independentemente do cargo!

PROCESSOS

Processo é o caminho percorrido para que determinada atividade seja entregue com excelência ao cliente final. É fundamental que os processos de uma empresa estejam mapeados, registrados e comunicados a todos os envolvidos. Além disso, é essencial atribuir os responsáveis para cada ação, seus prazos, e como cada ação se comunica com outras ações para formar um sistema dinâmico e efetivo.

Aqui, algumas perguntas que auxiliam no diagnóstico:

– Os processos de nossa empresa estão mapeados de forma detalhada?

– As pessoas sabem com clareza quais são suas funções e responsabilidades?

– Os diversos setores ou departamentos se comunicam de forma assertiva com os demais?

– As atividades realizadas são constantemente analisadas criticamente, de modo que se possam encontrar maneiras de melhorá-las?

SATISFAÇÃO DE CLIENTES

A satisfação de clientes é um importante e poderoso diagnóstico sobre a saúde comercial de uma empresa. É através dela que uma organização consegue identificar problemas internos que possam estar comprometendo o presente e o futuro dos negócios. Ter um bom sistema de pesquisas de satisfação e um canal de atendimento às reclamações são medidas inteligentes para garantir a melhoria dos processos, produtos, serviços e ampliar as chances de fidelização de clientes.

Para este diagnóstico, é importante contar com o conhecimento e a experiência de um profissional de marketing, que saberá elaborar um questionário que atenda às necessidades da empresa e engaje seus clientes no processo de pesquisa.

SAÚDE FINANCEIRA

A saúde financeira talvez seja o mais comum, porém, o mais negligenciado diagnóstico organizacional. Isso porque ele só é realizado – e geralmente mal realizado – quando as coisas já estão muito mal e o sintoma da falta de dinheiro já não pode mais ser ignorado.

Para um bom diagnóstico financeiro, é crucial contar com a ajuda de um profissional da área contábil/financeira, pois são muitos os aspectos que devem ser analisados, desde o fluxo de caixa, que é algo relativamente simples, até a formação correta dos custos e dos preços praticados.

Estes são os principais aspectos a serem avaliados em um diagnóstico organizacional, mas existem outros, porque, assim como o corpo humano, uma empresa, por menor que seja, é sempre mais complexa do que parece, e as causas dos problemas, assim como as oportunidades de sucesso, muitas vezes estão onde menos imaginamos.

Ficou com alguma dúvida ou precisa de ajuda para fazer o diagnóstico organizacional da sua empresa? Nós da Mazzola Soluções podemos ajudá-lo!

Entre em contato conosco através do número (11) 96633-4295 ou envie um e-mail para contato@mazzolanet.com.br.

Temos uma equipe especializada em gestão empresarial. Teremos o maior prazer em ajudar!

Deixe seu comentário, nos conte como está a saúde da sua empresa, quais sintomas você tem percebido, compartilhe suas experiências e dúvidas. Teremos enorme satisfação em ajudá-lo a encontrar soluções para o seu negócio!

Redação por: Rodrigo César Rondini, Coach e Analista Comportamental, com formação “Master” pela Sociedade Latino-Americana de Coaching; Tecnólogo em Processos Gerenciais, com formação pela FGV – Fundação Getúlio Vargas; Contabilista, Consultor e sócio-diretor da Mazzola Contabilidade Assessoria Empresarial
Revisão por: Pedro Paulo Gomes Ribeiro, processo Administração de Pessoal da Mazzola Contabilidade. Bacharel em Linguística, com especialização em Português e Espanhol pela Universidade de São Paulo.

5 etapas para fazer uma contratação eficiente

Toda empresa precisa de uma equipe com boas pessoas para que ela cresça e tenha destaque no mercado, porém, para ter talentos em sua empresa, a principal tarefa é saber fazer uma contratação eficiente.

Neste post vamos falar um pouco sobre as “5 etapas para fazer uma contratação eficiente”!

A arte de ter talentos na sua empresa não se inicia na entrevista ou na seleção de currículos, mas sim na estruturação do seu setor de Recursos Humanos.

Dessa forma, continue a leitura e conheça as etapas que julgamos ser primordiais para fazer uma contratação eficiente:

1 – Crie uma estrutura organizacional para o setor de Recursos Humanos

Independentemente do tamanho da sua empresa, para ter mais pessoas trabalhando com você, é preciso ter um setor de Recursos Humanos estruturado e organizado para que as decisões sejam tomadas de forma correta.

O setor de Recursos Humanos é responsável desde o recrutamento, entrevista e seleção até o desligamento do colaborador em uma empresa.

Assim, é muito importante ter uma pessoa responsável e empática para cuidar da equipe de trabalho.

E penso que a palavra “cuidar” se encaixa muito bem, pois ela significa reparar, atentar-se, prestar atenção, que é o que as pessoas em uma empresa precisam: cuidado, carinho e atenção.

Portanto, o setor de Recursos Humanos é fundamental e o primeiro requisito para se fazer uma contratação eficiente.

2 – Crie a estrutura de cada departamento da sua empresa, com o organograma de cada função

Setor de RH criado, agora é a hora de ter-se um organograma funcional de cada setor da empresa, pois saber as responsabilidades de cada um dentro de um departamento é fundamental para contratar de forma eficiente.

Os organogramas podem ser verticais ou horizontais, mas precisam ser escritos e demonstrados.

Quando temos a verticalização de uma estrutura organizacional, falamos da relação hierárquica entre funções, onde a função mais acima gerencia as funções mais abaixo.

Quando temos a horizontalidade de uma estrutura organizacional, falamos da inexistência de poder entre os cargos, ou seja, as funções têm responsabilidades iguais e mais autonomia para o trabalho.

Saber qual o melhor modelo para sua empresa é fundamental para criar-se um ambiente funcional.

3 – Descreva todas as funções que fazem parte de cada departamento

Com o organograma em mãos, agora é a hora de descrever cada uma delas. E aqui é importante:

  • Descrever a missão do cargo: falar da missão de um cargo é explicar para o que ele foi criado e o que ele deve fazer;
  • Descrever o propósito do cargo: falar do propósito de um cargo é falar do porquê ele existe e qual sua importância para a empresa;
  • Descrever os requisitos de competência do cargo: quando falamos em requisitos, além de falarmos dos conhecimentos e habilidades técnicas de um cargo, temos que falar das atitudes desejadas e dos valores socioculturais de um cargo;
  • Descrever as responsabilidades do cargo: quando falamos das responsabilidades que um cargo tem, falamos das obrigatoriedades de resposta por suas ações, mostrando o grau de destaque dentro da empresa;
  • Descrever as atividades do cargo: falar das atividades de um cargo é nortear as pessoas que farão parte desta função, deixando claro o que deve ser feito.

Com a descrição funcional mostramos às pessoas o nível de organização que uma empresa possui, pois deixa claro o que se espera de cada profissional.

4 – Tenha uma política de Cargos e Salários

Com um organograma eficiente e cargos descritos, fica muito mais fácil criar a política salarial de cada cargo e de cada departamento.

Ter uma política salarial evidencia o quanto a empresa pensa no colaborador, pois demonstra os degraus que a pessoa deve subir e se empenhar para ter o seu devido reconhecimento em uma organização.

5 – Tenha um procedimento eficiente para fazer recrutamento, entrevistas e seleção de um novo talento para sua empresa

Por fim, chegamos ao momento de contratar uma pessoa para a empresa. Temos a estrutura adequada e clara, assim podemos saber o que queremos de uma pessoa para nossa empresa. Além disso, será transparente para a pessoa aonde ela poderá chegar.

Contratando talentos para sua empresa:

  • Um processo de recrutamento se inicia pela análise dos requisitos de uma vaga e, posteriormente, pela divulgação da mesma pelos meios que a empresa julgar interessantes, que podem ser suas redes sociais, seu site ou sites especializados em divulgação de vagas;
  • Recebendo os currículos das pessoas, confronte os requisitos técnicos necessários para a vaga, para que sejam agendadas as entrevistas;
  • Currículos selecionados, agora é hora de agendar as entrevistas! Após algumas análises prévias, entendemos que a melhor forma de conhecer quem será o próximo talento de sua empresa é fazer dois tipos de entrevistas:
    • Entrevistas de 5 a 10 minutos: faça uma chamada de vídeo e peça para a pessoa se apresentar e contar um pouco de sua vida. Isso faz com que você a conheça e sinta quem ela é;
    • Após essa entrevista on-line, analise quais pessoas foram melhores e faça a segunda entrevista. Esta seria mais longa, com algumas perguntas para conhecer o perfil técnico e comportamental, de modo que seja possível fazer o “match” com o cargo a ser preenchido;
  • Sempre dê feedback aos seus candidatos, seja ele positivo ou negativo. Isso evidencia o valor de sua empresa, pois demonstra a honestidade e o cuidado que você tem com as pessoas;
  • Contrate o perfil que mais se encaixou naquilo que você procura. Se as entrevistas não forem satisfatórias, reinicie o processo. Porém, só contrate quando tiver certeza de sua escolha.

Contratar pessoas é uma arte e se dá bem quem sabe dominá-la.

E para tudo isso que foi descrito, a Mazzola Soluções está apta a te ajudar a encontrar o melhor talento para sua empresa. Quer saber como? Então, entre em contato conosco pelos telefones (11) 4587-2043 ou (11) 97073-9090, ou pelo e-mail rodolfo@mazzolanet.com.br.

Se você chegou até aqui, curta e compartilhe este post!

Obrigado pela leitura e até a próxima!

Redação por: Rodolfo Mazzola, sócio da Mazzola Contabilidade e Mazzola Soluções.; Graduação em Ciências da Computação e Ciências Contábeis pelo Unianchieta.
Revisão por: Pedro Paulo Gomes Ribeiro, processo Administração de Pessoal da Mazzola Contabilidade. Bacharel em Linguística, com especialização em Português e Espanhol pela Universidade de São Paulo.

Análise SWOT – O que é e como aplicar dentro da sua empresa

“A maioria das pessoas não planeja fracassar, fracassa por não planejar.”

É com essa frase de John L. Beckley que começo este texto.

Ser empreendedor em pleno século XXI, num mundo globalizado, repleto de incertezas e alta competitividade, não é uma tarefa fácil. Por isso, o planejamento estratégico é um grande aliado.

Através de um bom planejamento, é possível ampliar a visão perante o mercado e organizar todas as etapas para que possam ser alcançados todos os objetivos.

E é aí que entra a Análise SWOT!

Você já ouviu falar nela? Sabe do que se trata? Sabe qual a importância dela para garantir o sucesso de uma empresa? Se a sua resposta for não, ou quiser aprender um pouco mais sobre o assunto, continue comigo neste artigo.

O que é análise SWOT?

A análise SWOT (abreviação das palavras em inglês Strengths, Weaknesses, Opportunities e Threats, que significam Forças, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças), conhecida também como análise FOFA, ou ainda matriz SWOT, é uma ferramenta de planejamento estratégico utilizada no marketing, em consultorias e no âmbito empresarial. Funciona como método de avaliação dos ambientes interno e externo de uma empresa e mercado, com o propósito de definir estratégias a partir de suas forças, fraquezas, oportunidades e ameaças, e ajudar na tomada de decisões mais assertivas.

Além disso, ao realizar a análise SWOT, é possível extrair um diagnóstico completo do negócio e do ambiente à sua volta:

“O objetivo da SWOT é definir estratégias para manter pontos fortes, reduzir a intensidade de pontos fracos, aproveitando as oportunidades e protegendo-se de ameaças.” (Vana, Monteiro & Veloch)

A SWOT é dividida da seguinte forma:

  • Ambiente Interno: O ambiente interno diz respeito aos fatores que englobam a empresa, na qual é possível ter controle de tudo que a envolve. Dentro deste ambiente estão as forças e as fraquezas.
  • Ambiente Externo: Já o ambiente externo refere-se aos fatores incontroláveis e que impactam o seu negócio, tais como, economia, legislação, tecnologia, concorrência, política, entre outros. Neste ambiente estão as oportunidades e as ameaças.

Agora que você já sabe o que é a análise SWOT, qual seu objetivo e como ela é dividida, vamos nos aprofundar um pouco mais nas 4 variáveis principais que compõem a matriz. São elas:

Forças:

As forças são as variáveis que fazem parte do ambiente interno, e que podem ser consideradas como vantagem competitiva perante os seus concorrentes. Dentre os pontos que podem ser levados em consideração estão a localização da empresa, certificações, reputação, tempo de mercado, qualidade do produto/serviço, equipe bem treinada, entre outros.

Fraquezas:

As fraquezas são as variáveis que também fazem parte do ambiente interno, porém são consideradas pontos críticos e vulneráveis, e desvantagem perante a concorrência.

Oportunidades:

As oportunidades fazem parte do ambiente externo e são os pontos que, quando conhecidos e aproveitados, podem favorecer a sua empresa.

Ameaças:

As ameaças são variáveis incontroláveis do ambiente externo e são responsáveis por criar obstáculos e afetar a sua empresa. Quando as ameaças são identificadas no início, podem ser trabalhadas num plano de ação, para impedir que prejudiquem a sua empresa.

Quais os benefícios de fazer uma análise SWOT dentro de uma empresa?

Como mencionado anteriormente, a SWOT permite ter uma visão ampla sobre o seu negócio e o ambiente à sua volta, o que traz benefícios como:

  • Ajuda na tomada de decisões;
  • Amplia a visão sobre o seu negócio e mercado;
  • Permite corrigir falhas;
  • Ajuda na definição de estratégias;
  • Permite identificar oportunidades e ameaças no mercado;
  • Ajuda a alcançar melhores resultados.

Vamos aprender a colocar em prática essa análise dentro da sua empresa?

  1. Liste todas as suas forças;
  2. Enumere todos os seus pontos fracos e que precisam ser melhorados;
  3. Descubra quais são as suas oportunidades de mercado e que podem ser aproveitadas no seu negócio;
  4. Mapeie as ameaças que impactam diretamente na sua empresa;
  5. Analise com calma todos esses fatores e escolha de 3 a 6 de cada variável;
  6. Defina estratégias a partir da combinação das suas forças, fraquezas, oportunidades e ameaças.

Uma vez que você sabe como utilizar essa ferramenta estratégica e todas as vantagens que ela traz, é hora de colocar em prática!

Lembre-se: esse tipo de análise pode ser aplicado em todos os segmentos e portes de empresas. Não importa se você tem uma empresa de grande porte ou apenas uma microempresa. Aplique a análise SWOT dentro da sua empresa e garanta o sucesso dela.

Ficou com alguma dúvida ou precisa de ajuda para aplicar essa matriz na sua empresa? Nós podemos ajudá-lo!

Entre em contato conosco através do número (11) 96633-4295 ou envie um e-mail para contato@mazzolanet.com.br .

Temos uma equipe especializada em marketing e planejamento estratégico. Teremos o maior prazer em ajudar!

Gostou deste conteúdo? Compartilhe com outras pessoas!

Não esqueça de deixar seu comentário aqui embaixo, sua opinião é extremamente importante para nós! Até o próximo artigo! 😉

Redação por: Gisele Rossani, processo Comercial e Marketing da Mazzola Contabilidade. Graduação em Comunicação Social – Publicidade e Propaganda pela UNIP de Jundiaí
Revisão por: Pedro Paulo Gomes Ribeiro, processo Administração de Pessoal da Mazzola Contabilidade. Bacharel em Linguística, com especialização em Português e Espanhol pela Universidade de São Paulo.

5 passos para organizar o seu departamento de Recursos Humanos

Você já parou para pensar na importância que tem o departamento de Recursos Humanos em uma empresa?

Muitas pessoas consideram que o RH é responsável somente pela “papelada” quando um colaborador é admitido ou demitido, ou nos pagamentos mensais, ou no controle das férias e dos exames médicos…

Bem, o RH é muito mais que isso! As pessoas que estão nesse departamento tem por função principal CUIDAR dos colaboradores, e quando falo em CUIDAR quero dizer em ter carinho e atenção aos colaboradores, procurando estabelecer uma CONEXÃO entre todas as pessoas de uma empresa.

Certo, mas aí você me pergunta: “Mas como faço para organizar o meu departamento de Recursos Humanos?”

E esse é o objetivo deste artigo: clarificar sua mente com o que você necessita para ter um RH Estratégico na sua empresa. Portanto, vamos lá! Prepare sua xícara de café e boa leitura!

ORGANOGRAMA

É fundamental para o RH ter um organograma estruturado da empresa. Mas o que é organograma?

Organograma é a amostragem visual de todos os cargos da empresa. Ele demonstra também a hierarquia existente entre cargos, possibilitando a análise da liderança em cada departamento.

Os organogramas das empresas podem ser de forma vertical ou horizontal.

O organograma vertical é o mais tradicional e demonstra toda a relação hierárquica entre cargos. Funciona muito bem para todas as empresas que precisam de líderes e liderados em sintonia, onde exista coordenação para atingimento de metas ou objetivos da organização.

O organograma horizontal é a tendência das Startups. Nele, todas as pessoas fazem de tudo para o atingimento do objetivo de crescimento da empresa. Funciona bem para modelos que não requerem liderança com imposição de metas e objetivos, pois todos sabem o que precisa ser executado.

DESCRIÇÃO FUNCIONAL

Com o organograma em mãos, agora é a hora de descrever cada cargo da empresa. A descrição funcional tem por objetivo demonstrar as atividades que cada cargo deverá executar dentro de cada processo ou departamento.

É preciso deixar bem claro na descrição funcional qual é o propósito de ter esse cargo na empresa, bem como qual a missão dele para o sucesso da organização.

Outro ponto fundamental é estabelecer os Conhecimentos mínimos, as Habilidades requeridas e as Atitudes desejáveis para o cargo.

Por fim, é necessário descrever todas as atividades que o cargo deverá executar. Além disso, quais são os treinamentos necessários que cada colaborador deverá ter para exercer esta função na empresa.

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS

Depois de entender quais cargos uma empresa precisa ter, é necessário estipular toda a grade salarial dos departamentos. Para isso, é necessário ter conhecimento dos valores mínimos que cada Sindicato da empresa estipula para os cargos.

Outra etapa fundamental é estabelecer a senioridade dos cargos, pois quando uma pessoa “sobe um degrau” dentro da empresa, alguns conhecimentos e habilidades são necessárias para executar plenamente o cargo, além de treinamentos específicos para cada área.

Começamos, então, a definição por Trainee, que é quando uma pessoa está iniciando no cargo, e precisa de total monitoramento do líder ou de alguém mais experiente para aprender corretamente o trabalho.

Posteriormente, quando essa pessoa começa a ter alguns conhecimentos e consegue fazer suas tarefas sem muito monitoramento, podemos passá-la para Júnior.

A senioridade do cargo chamada Pleno é aquela em que o colaborador já tem bastante conhecimento específico, consegue ajudar o líder nas decisões, porém ainda está em fase de aprendizado, por isso ainda precisa consultar o líder para sanar dúvidas.

Já o cargo Sênior é para quando o colaborador não tem dúvidas das funções executadas, é um líder por natureza e ajuda os demais do setor no crescimento e aprendizado.

Abaixo, apresentamos um modelo fictício de cargos e salários para exemplificar a “escada” que um colaborador pode galgar dentro da empresa:

MANUAL DO COLABORADOR

Ponto determinante e fundamental para todas as empresas é ter um Manual do Colaborador. Com ele cada colaborador tem em mãos como funciona a empresa e como ela quer que o trabalho seja executado.

No Manual do Colaborador a empresa relaciona os direitos e deveres do colaborador, deixa claro o que pode e o que não pode fazer dentro da empresa.

É essencial deixar bem explicado para todos os colaboradores tudo o que a empresa aprecia e tudo o que a empresa deseja dos seus colaboradores.

Quando tudo é clarificado, não há dúvidas e isso cria a transparência que todas as empresas precisam ter para com seus colaboradores.

Seguem algumas sugestões para você criar o seu Manual do Colaborador:

  • Defina qual é a Conduta do Colaborador que a empresa deseja;
  • Mostre como deve ser usada a Tecnologia dentro e fora da empresa;
  • É muito importante demonstrar as Regras Operacionais da empresa;
  • Outro ponto crucial é falar das Regras Trabalhistas, pois todo colaborador precisa estar ciente dos direitos e deveres perante a Legislação;
  • Por fim, é importante falar sobre a Saúde, Segurança e Segurança dos Colaboradores. Aqui repetimos a palavra “Segurança” propositalmente, pois ela deve ser a regra principal de toda empresa: “Preservar a segurança de todos os colaboradores e clientes”.

MAPEAMENTO E ROTEIROS DO PROCESSO RH

O RH precisa ter um roteiro bem definido do que faz, pois são muitas as tarefas de um departamento e um deslize pode comprometer toda a relação construída com cada colaborador. Assim, é necessário saber o que fazer e quando fazer em cada etapa do processo RH.

Quando falamos em etapas, estamos nos referindo a tudo o que o RH executa. E podemos elencar os principais roteiros:

  • Recrutamento, Entrevista e Seleção de Colaboradores;
  • Admissão de Colaboradores;
  • Acolhimento do Novo Colaborador;
  • Alterações no Contrato de Trabalho de Colaboradores;
  • Fechamento de Folhas de Pagamento;
  • Programa de Treinamento;
  • Avaliação de Desempenho / Acompanhamento;
  • Concessão de Férias aos Colaboradores;
  • Controle de Declarações e Atestados Médicos;
  • Controle de Aniversários (Admissão e Nascimento) dos Colaboradores;
  • Controle da Saúde Ocupacional da Empresa;
  • Controle de Eventos (Festas e Mensagens);
  • Controle de Advertência ou Suspensão;
  • Rescisão dos Colaboradores.

Ter um RH mapeado reduz erros e cria conexão com todos da empresa. Além disso, deixa bem claro quem executa e quando executa cada tarefa dentro do processo RH.

E assim temos um RH Estratégico e Estruturado em nossas empresas, fundamental para o sucesso das organizações, pois os colaboradores precisam saber que não são “só mais um número” na empresa e sim a parte fundamental para consolidação da empresa no mundo.

Mas ficou em dúvida com tantas informações e precisa de ajuda para estruturar o seu RH?

Nós resolvemos isso para você!!!

Temos uma equipe especializada em estruturar RH e treinar os colaboradores que farão parte deste departamento com todas as ferramentas apresentadas acima.

Nossa equipe irá construir seu Organograma e descrever as Funções de todos os Cargos. Posteriormente, iremos analisar o mercado e verificar todos os valores para criação do Plano de Cargos e Salários.

Criaremos seu Manual do Colaborador e mapearemos o Processo RH. Logicamente, treinaremos sua equipe para humanizar as relações entre as pessoas da sua empresa.

E então, quer conhecer o nosso trabalho?

Envie um e-mail para rodolfo@mazzolanet.com.br ou entre em contato pelo Telefone / WhatsApp (11) 97073-9090.

Cuidar das pessoas é cuidar do crescimento da sua empresa. E estamos prontos e preparados para te ajudar a crescer e aparecer para o mundo!

Espero que você tenha ficado comigo até o fim deste artigo do Blog da Mazzola Soluções. E mais uma vez reitero o convite: venha para o mundo das Soluções e surpreenda-se!

Um grande abraço e até a próxima!

Redação por: Rodolfo Mazzola, sócio da Mazzola Contabilidade e Mazzola Soluções.; Graduação em Ciências da Computação e Ciências Contábeis pelo Unianchieta.
Revisão por: Pedro Paulo Gomes Ribeiro, processo Administração de Pessoal da Mazzola Contabilidade. Bacharel em Linguística, com especialização em Português e Espanhol pela Universidade de São Paulo.