Autoestima e a vida diante do espelho! (Parte I)

Os gregos antigos utilizavam um conjunto de narrativas para contar histórias de seus heróis, deuses, semideuses, e vários outros personagens que chegaram até nossos dias naquilo que conhecemos como Mitologia. Um desses personagens famosos é Narciso – um jovem e belo rapaz que, ao ver seu rosto refletido nas águas cristalinas de um lago, apaixonou-se por sua própria imagem, e a partir de então, tomado pela vaidade, tornou-se incapaz de dirigir seu amor a qualquer outro ser e, na impossibilidade de alcançar e tomar para si sua própria imagem como objeto de desejo, acabou definhando e morrendo.

Quero aqui, de forma bastante modesta, desenvolver uma reflexão acerca das nossas experiências contemporâneas com a nossa própria imagem, e com as imagens pelas quais nos apaixonamos e fixamos como ideais a serem alcançados.

Nestes tempos de isolamento social causado pela Covid19, as modalidades de home office e ensino a distância, mas não só por isso – as redes sociais já vinham nos impondo uma nova relação com a própria imagem – nossa existência se passa diante do espelho, e ao nos depararmos com a nossa imagem refletida, agora não mais nas águas cristalinas, mas sim, nas telas dos nossos smartphones, tablets e computadores, nem sempre nos encantamos pelo que vemos.

Sobressalta aos nossos olhos alguns quilos a mais ou a menos, uma ruga que não estava ali no dia anterior, os cabelos brancos que antes eram escondidos pelo talento das profissionais de beleza e agora parecem se multiplicar a cada segundo, sem contar o impacto que sofremos ao não reconhecermos nossa própria voz naquele áudio ou vídeo que temos que gravar para facilitar a comunicação.

Enquanto isso, somos bombardeados por conteúdos midiáticos que nos dizem quem são e quais são os padrões de beleza, de felicidade, de sucesso, de inteligência, de riqueza, e tudo que você possa imaginar que desperte nosso desejo de realização e fixe em nós um ideal a ser conquistado.

Aqui entra em cena uma figura conhecida de todos nós: a autoestima, que pode ser entendida como uma percepção de si, ou um sentimento de si, e que varia em sua medida de acordo com o nível de satisfação que cada um encontra com o seu “eu” em relação ao “ideal de eu” que cada um constrói no seu imaginário.

Todos nós temos os nossos ideais, nossos ídolos e heróis, nossas referências de valor que nos guiam. Mas, assim como Narciso jamais pôde alcançar a sua imagem ideal refletida no lago, talvez nós jamais nos apossaremos dos nossos ideais, e deveria estar tudo bem. No fundo, nossos ideais não são mesmos para serem conquistados, mas um farol que ilumina os caminhos de nossa existência.

O mito de Narciso ganhou seu espaço na psicanálise desenvolvida por Freud (embora seja um conceito bastante complexo que não cabe adentrarmos aqui), e chega na nossa cultura como uma forma patológica de se relacionar com a própria imagem: o Narcisismo. Nesse sentido podemos generalizar que vivemos em uma sociedade narcisista, e essa ideia ganha corpo ao nos darmos conta do quanto nos empenhamos em buscarmos a selfie perfeita, que represente aquilo que gostaríamos de ser, e para isso não faltam recursos tecnológicos (o Photoshop é a fonte da juventude moderna! Será?).

Mas engana-se quem acredita que o narcisista está somente olhando para si, e apaixonado por si mesmo não teria interesse pelo mundo a sua volta. No fundo, o desejo de todos é ser desejado pelo outro, e, partindo dessa premissa, nos esforçamos para atender o que acreditamos ser aquilo que o outro deseja que nós somos. Quer uma prova dessa verdade? Quantas vezes você postou uma foto no Facebook ou Instagram e não ficou tenso para ver os comentários e curtidas? Não há nenhum mal nisso. Não nos é dada a opção de vivermos sem a necessidade do olhar do outro, do reconhecimento e amor do outro! O problema é quando não nos achamos suficientemente competentes, bons, bonitos e inteligentes para merecer o amor desse outro (pode ser pai, mãe, namorado ou namorada, marido ou esposa, chefe, colega de trabalho, sociedade etc.). Quando isso acontece, podemos dizer que nossa autoestima está baixa.

Viver em uma sociedade onde, a cada dia, nos é exigido sermos mais e melhores tem gerado um grande mal-estar psíquico, levando a um dos sintomas mais agudos do nosso tempo: a depressão.

Quando não nos julgamos capazes de atender as expectativas, nossas e dos outros, passamos a recuar diante de nossos desejos e inibir nossas ações, levando a uma perda de vontade e animo para agir, e consequentemente perdemos a vontade de viver (esse é o quadro básico da depressão).

Vida é movimento, é ação, é transformação. Para viver bem é preciso ter coragem de se olhar, aceitar aquilo que não pode ser de outra forma, mas também lutar e se esforçar para se tornar aquilo que nossos desejos nos permitem, encarar os desafios, e principalmente manter a alegria e a generosidade ao contemplar-se a si mesmo, “A alegria que se origina da contemplação de nós mesmos chama-se Amor-próprio ou Contentamento consigo mesmo” (Espinosa; Baruch, 1677, ÉTICA, Parte Terceira – Origem e Natureza dos afetos), porque a alegria não depende de sermos mais e melhores do que somos, mas sim de nos aventurarmos nesta jornada única que chamamos de vida.

Gostou deste artigo? Como anda sua autoestima? Deixe seus comentários aqui embaixo.

No próximo artigo: Autoestima e a vida diante do espelho! (Parte II) falaremos sobre os caminhos para termos uma melhor percepção de si, da alegria, e de algumas ações essenciais para melhorar a autoestima e elevar o potencial de ação e interação na vida. Não percam!

Redação por: Rodrigo César Rondini, Coach e Analista Comportamental, com formação “Master” pela Sociedade Latino-Americana de Coaching; Tecnólogo em Processos Gerenciais, com formação pela FGV – Fundação Getúlio Vargas; Contabilista, Consultor e sócio-diretor da Mazzola Contabilidade Assessoria Empresarial. Revisão por: Daiane Alegro Guido, processo Financeiro da Mazzola Contabilidade. Graduação em Ciências Contábeis pela Anhanguera, e Pós Graduação em Controladoria e Finanças pelo SENAC.

4 thoughts to “Autoestima e a vida diante do espelho! (Parte I)”

    1. Olá Nina! Esperamos que esteja bem!😊

      Ficamos muito felizes que tenha gostado do texto.🥰
      Esperamos que tenha te ajudado de alguma forma… Ah! Fica de olho no blog, pois logo teremos a parte II.😉

      Um grande abraço da equipe Blog.Mazzola

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.