5 motivos para você fazer o registro de marca

Começo este texto lançando o seguinte questionamento: Você sabe o que é uma marca?

De acordo com o site do INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial): “Marca é um sinal distintivo cujas funções principais são identificar a origem e distinguir produtos ou serviços de outros idênticos, semelhantes ou afins de origem diversa”. Simplificando, podemos dizer que a marca é a representação de um produto ou serviço.

Quando decidimos abrir uma empresa, é muito comum nos preocuparmos com questões burocráticas, como definir o melhor regime tributário, abrir um CNPJ, elaborar o contrato social entre outros. Uma das primeiras etapas ao abrir um novo negócio, é definir a Razão Social e o Nome Fantasia.

O Nome Fantasia é o nome que será utilizado para representar e divulgar a sua empresa. Entretanto, o que poucos sabem é que ao incluir o Nome Fantasia, isso não significa que você tem o registro da sua marca.

Mas afinal, o que é o registro da marca e qual a sua importância?

O registro de marca é um título concedido pelo INPI, que assegura o direito de propriedade e uso exclusivo da marca. Sendo assim, o dono da marca é aquele que possui o registro da marca no INPI.

Aí você me pergunta: “Ah, mas qual a importância de ter o registro?”

E eu te respondo: simplesmente pelo fato de proteger e “blindar” a marca do seu negócio.

Ao iniciar um novo negócio, uma das primeiras etapas deveria ser consultar o nome, para saber se ela já não existe e se já está sendo utilizada. Isso vale também para a criação do seu logo. É fundamental que a marca (seja nominativa, mista ou figurativa) esteja disponível, para evitar problemas e dores de cabeça futuro.

Exemplo 1: Mariana decide abrir uma nova empresa… define qual vai ser a sua marca, mas não pesquisa se ela está disponível ou não. Ela inicia o seu negócio, faz fachada do seu negócio, uniforme, materiais de papelaria entre outros. Acontece que o nome da marca de Mariana já existe e está registrada no INPI, e o dono dela, João, que já está há 20 anos no mercado, descobriu que ela está utilizando a mesma marca nominativa.  João decide então por processar Mariana por estar utilizando uma marca que já existe. Além do processo, ela terá todo o trabalho (e dinheiro gasto) de ter que mudar a sua marca e materiais de divulgação. E tudo isso teria sido evitado se a pesquisa tivesse sido feita antes.

Exemplo 2: Gabriel tem uma confecção de roupas, e está há 3 anos no mercado. Quando ele abriu o seu negócio, fez a pesquisa e viu que a marca estava disponível para utilização. Entretanto, ele não fez o registro, pois achou muito caro e que não havia necessidade. Sofia também tem uma confecção de roupas, há apenas 1 ano. O nome da sua marca é igual ao da confecção do Gabriel. Porém, Sofia descobriu da importância, e fez o registro da marca. Dessa forma, ela passa a ser a verdadeira “dona” da marca. Gabriel, mesmo tendo lançado a marca primeiro no mercado, é notificado e é obrigado a mudá-la. Se há 3 anos atrás ele tivesse feito o registro, ao invés de achar que não havia necessidade e que era só gasto com dinheiro, ele teria evitado muito trabalho, dor de cabeça e até mesmo gasto com dinheiro para refazer uma nova marca.

Citei apenas esses dois exemplos, para ficar mais claro os riscos e problemas que se pode ter ao optar por não fazer a pesquisa de disponibilidade e não fazer o registro para proteger e assegurar exclusividade da sua marca. Mas existem diversos outros exemplos.

Mas como funciona o registro de marcas?

Importante frisar que o registro de marca deve ser feito junto a uma empresa especializada e de confiança. Nós da Mazzola Contabilidade e Mazzola Soluções indicamos a Vilage Marcas e Patentes.

O processo de registro passa por diversas etapas para poder de fato ter a marca registrada. Dentre algumas das etapas estão:

  • Pesquisa de disponibilidade de uso da marca
  • Cadastro no INPI
  • Pagamento das taxas
  • Pedido de registro
  • Acompanhamento do processo
  • Deferimento do pedido
  • Concessão do registro

Se até este ponto do texto você ainda não tem certeza se faz ou não o registro da sua marca, separei 5 MOTIVOS PARA VOCÊ FAZER O REGISTRO DE MARCA! Confira abaixo:

  1. Uso exclusivo da marca
  2. Segurança e proteção contra uso indevido
  3. Evita prejuízos e problemas futuros
  4. Valorização e credibilidade para a marca
  5. Garantia de que todo lucro com a marca seja seu

IMPORTANTE: É importante ter bem claro que a ÚNICA forma de ser “dono” de uma marca, é registrando no INPI. Ter um domínio num site, perfil nas redes sociais entre outros, NÃO comprova que a marca pertence a você.

Gostaria de finalizar este texto, reforçando que o registro é algo muito importante para o crescimento e sucesso de um negócio. É uma forma de proteção, e de assegurar que a sua marca não será utilizada e registrada por seus concorrentes.

Espero que ao final desta leitura você, empreendedor(a), tenha entendido que não importa o porte ou tamanho da sua empresa…se é pequena, média ou grande. Faça o registro da sua marca! Hoje a marca pode estar livre para uso. Amanhã pode ser que não.

Gostou deste conteúdo? Compartilhe com outras pessoas!

Não esqueça de deixar seu comentário aqui embaixo, sua opinião é extremamente importante para nós! Até o próximo artigo! 😉

Redação por: Gisele Rossani, processo Comercial e Marketing da Mazzola Contabilidade. Graduação em Comunicação Social – Publicidade e Propaganda pela UNIP de Jundiaí.
Revisão por: Cíntia Calixto, processo Administração de Pessoal da Mazzola Contabilidade. Tecnólogo em Gestão de Recursos Humanos, pela Faculdade Anhanguera de Jundiaí

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.